Justiça Federal determina que Funai agilize demarcação da Terra Indígena Piripkura em MT

Daniel Biasetto
·1 minuto de leitura

RIO - A Justiça Federal determinou nesta segunda-feira que a Fundação Nacional do Índio (Funai) consttitua em 90 dias um Grupo Técnico para agilizar a demarcação da Terra Indígena Piripkura, em Mato Grosso. A decisão do juiz Frederico Pereira Martins, da Vara Federal Cível e Criminal de Juína, obriga a fundação ainda a manter uma equipe permanente de fiscalização na área, a fim de impedir o ingresso e a permanência de terceiros. No final de fevereiro, O GLOBO revelou que o desmatamento avança de forma implacável na região onde habita os sobreviventes de massacres.

Cobiçada por madeireiros e invasores enquanto o seu processo de demarcação se arrasta por quase 40 anos, a Terra Indígena Piripkura, em Mato Grosso, considerada a porta de entrada da Amazônia Legal, tornou-se em apenas cinco meses o território mais devastado entre as áreas com a presença de povos isolados.

Dos 962 hectares de floresta desmatados por grileiros no ano passado, 919 foram destruídos entre agosto e dezembro. A extensão, que equivale a quase mil campos de futebol, ocorre dentro de um espaço legalmente definido pelo governo federal e identificado pela Fundação Nacional do Índio (Funai), desde 1985, como de uso restrito para não índios — portanto, deveria estar intacto. A área total é de 243 mil hectares.