Justiça Federal manda bloquear R$ 98 milhões de acusados de rombo no Postalis

Aguirre Talento
Pedido de bloqueio foi feito pela força-tarefa Postalis, da Procuradoria da República do DF

BRASÍLIA - A Justiça Federal do DF determinou o bloqueio de R$ 98 milhões nas contas de três ex-diretores do fundo de pensão Postalis (dos aposentados dos Correios), acusados de provocarem prejuízo em aportes feito pelo fundo.

O pedido foi feito pela força-tarefa Postalis, da Procuradoria da República do Distrito Federal, que também apresentou denúncia contra Antônio Carlos Conquista, Ricardo Oliveira Azevedo e José Carlos Lopes Xavier de Oliveira, ex-diretores do fundo. Alvos do bloqueio, eles também se tornaram réus pelos crimes de gestão temerária e fraudulenta.

A ordem de bloqueio foi dada pelo juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal do DF. Os valores bloqueados correspondem à estimativa de prejuízo provocado ao Postalis.

A denúncia acusa os três de atuarem para que o Postalis aportasse recursos de R$ 50 milhões em títulos de investimento do banco BVA, que já estava em situação financeira precária e entrou em falência posteriormente.

"Conforme demonstram os relatórios encaminhados pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), entre outros elementos de provas colhidos ao longo da apuração, a própria decisão de investimento em Letras Financeiras do Banco BVA e o posterior acompanhamento dos títulos estão eivados de vícios e fraudes, com consequente prejuízo ao Postalis. Assim, os prejuízos constatados, longe de serem decorrentes de imprevistos, foram, efetivamente, resultado da gestão fraudulenta e temerária daqueles que tinham o poder decisório quanto ao investimento", diz a denúncia.