Justiça italiana absolve acusado de estupro em banheiro de bar: 'deixou a porta aberta, um convite para ousar'

O Tribunal de Recurso de Turim, na Itália, absolveu um homem acusado de estuprar uma jovem no banheiro de um bar da cidade. Os magistrados afirmam na sentença que a vítima deixou a porta do banheiro entreaberta, o que pode ser interpretado como um "convite" ou "esperança a ele". A Procuradoria Geral informou que vai tentar impugnar a decisão.

Colômbia: Forças de Segurança bombardeiam base de rebeldes que rejeitaram acordo de paz e mata dez pessoas

Vídeo: motorista atropela 23 pessoas na calçada em saída de teatro na Argentina

"Não se pode excluir que a jovem tenha dado esperanças, sendo acompanhada ao banheiro, deixando os lenços para fora, mantendo a porta entreaberta, uma abertura certamente lida pelo acusado como um convite para ousar", diz um trecho da decisão, segundo o jornal "Corriere Della Sera".

A sentença sugere ainda que a vítima não soube "administrar" esse "convite" por ter ingerido bebidas alcoólicas e "estava um pouco bêbada e em pânico".

O incidente teria acontecido no banheiro de um bar em Turim em 2019. Na ocasião, a mulher pediu ao homem que lhe mostrasse onde ficava o banheiro. A vítima afirma que deixou a porta entreaberta para que o acusado lhe passasse um lenço de papel.

Em depoimento, a mulher disse ter falado repetidamente "não" para o acusado. Ela também teve o zíper da calça rasgado.

Alemanha: Carro atropela multidão e deixa um morto e ao menos 12 feridos

A decisão provocou indignação na Itália, com políticos e entidades criticando a decisão. Maria Edera Spadoni, vice-presidente do Movimento Cinco Estrelas, escreveu nas redes sociais que a luta contra a violência de gênero corre o risco de ser enfraquecida por "certas sentenças".

"Eu me pergunto como é possível, em nossos dias, presenciar essas situações e me pergunto como as mulheres, após julgamentos desse tipo, ainda podem se sentir protegidas pelo Estado e ter coragem de denunciar", afirmou.

A deputada Laura Ravetto afirmou que é necessário um treinamento específico sobre violência de gênero para juízes. A parlamentar classificou a decisão como "aberrante e que cria precedentes perigosos".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos