Justiça de Londres decide contra Maduro em batalha por US$1 bilhão em ouro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Líder da oposição venezuelana Juan Guaidó
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Marc Jones

LONDRES (Reuters) - A Suprema Corte de Londres rejeitou os mais recentes esforços do presidente Nicolás Maduro para obter o controle de mais de 1 bilhão de dólares das reservas de ouro da Venezuela armazenadas nos cofres subterrâneos do Banco da Inglaterra, o banco central britânico, em Londres.

O tribunal determinou nesta sexta-feira que decisões anteriores da Suprema Corte venezuelana, apoiada por Maduro, destinadas a reduzir a opinião do líder da oposição Juan Guaidó sobre o ouro, devem ser desconsideradas.

Foi a mais recente vitória de Guaidó, que venceu uma série de confrontos jurídicos sobre o ouro depois que o governo britânico o reconheceu, em vez de Maduro, como presidente da Venezuela.

"Concluí que o Conselho Guaidó vence: que as decisões do STJ (supremo tribunal venezuelano) não são passíveis de reconhecimento", disse o juiz do caso.

Os campos de Maduro e Guaidó nomearam um conselho diferente para o Banco Central da Venezuela (BCV) e os dois emitiram instruções conflitantes sobre as reservas de ouro.

Advogados do conselho BCV, apoiado por Maduro, disseram que o banco central está considerando um recurso após a decisão de sexta-feira, enquanto Guiadó, que viu algum apoio internacional vacilar nos últimos 18 meses, chamou de uma vitória importante.

A equipe jurídica de Maduro disse que gostaria de vender algumas das 31 toneladas de ouro para financiar a resposta da Venezuela à pandemia e reforçar um sistema de saúde destruído por anos de crise econômica.

A oposição de Guaidó alegou que o governo em crise de Maduro quer usar o dinheiro para pagar seus aliados estrangeiros, o que seus advogados negam.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos