Justiça manda prender 22 envolvidos em rinha de cães na Grande São Paulo

ALFREDO HENRIQUE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Justiça determinou nesta quinta-feira (19) a prisão preventiva de 22 dos 41 envolvidos em uma rinha de cães, descoberta pela polícia no último sábado (14) em Mairiporã (Grande SP). Na ocasião, 17 cachorros da raça pit bull foram resgatados. 

O caso corre na 2ª Vara Judicial de Mairiporã e está em segredo de Justiça, mas segundo apurou a reportagem, o que teria motivado a decisão foi o fato de das 40 pessoas que foram soltas, após audiência de custódia na segunda-feira (16), em Guarulhos (Grande SP), somente sete retornaram à Justiça para dar continuidade ao processo da qual são acusadas. Na ocasião, apenas um homem, considerado o responsável pela organização do evento, foi mantido preso. 

Nos alvarás de soltura de outros oito suspeitos, ainda segundo apurou a reportagem, não constou a necessidade de eles comparecerem em juízo e, por isso, não tiveram mandados de prisão. 

Até a conclusão desta reportagem, a polícia não havia informado se as prisões já haviam sido realizadas.

Relembre o caso  A polícia estourou uma rinha clandestina de cães, na noite de sábado (14), em Mairiporã (Grande SP). Ao todo, foram presas 41 pessoas, entre elas um médico veterinário e um policial militar. No local, 17 cães da raça pit bull foram resgatados. Outros dois cachorros estavam mortos e dois morreram depois de serem levados para uma organização que cuida animais. Também foi encontrada uma carcaça de cachorro que seria usada para alimentar os cães.

A Polícia Militar afirmou na ocasião que, se comprovada a participação de algum integrante da instituição, "adotará as medidas legais cabíveis." 

A polícias do Paraná e de São Paulo se uniram para fazer a batida no local, onde estaria ocorrendo um "campeonato internacional" de brigas de cães, que seriam fornecidos por um paranaense. 

De acordo com a polícia, 26 lutas de cães estariam previstas para ocorrer no local. Todos os animais resgatados apresentavam ferimentos, em alguns casos profundos. 

Além dos cachorros, a polícia também apreendeu envelopes com anotações de apostas, celulares, troféus, camisetas do "evento", planilhas sobre lutas, medicamentos ilegais, seringas e outros insumos hospitalares que seriam usados nos animais.