Justiça manda retirar do ar boatos em redes contra Manuela D'Ávila, candidata em Porto Alegre

PAULA SPERB
·2 minuto de leitura
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 06.06.2018 – Manuela D'Ávila. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 06.06.2018 – Manuela D'Ávila. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - A Justiça Eleitoral determinou na última segunda-feira (9) que Facebook, Instagram, Twitter e YouTube retirem do ar meio milhão de compartilhamentos de conteúdo falso contra Manuela D'Ávila (PCdoB), candidata à Prefeitura de Porto Alegre. Manuela lidera as pesquisas eleitorais na capital gaúcha.

A decisão do juiz Leandro Figueira Martins deu 24h para as empresas retirarem os boatos dos seus sites. A defesa da coligação de Manuela ajuizou dez ações, cada uma referente a um conteúdo inverídico.

Há postagens que usam uma fotografia de Manuela aos 15 anos, acompanhada do seu pai, insinuando que era seu namorado. A candidata chegou a comentar, no seu perfil do Instagram, o ataque sofrido.

"Esses dias eu postei essa foto de quando fiz quinze anos, abraçada em meu pai. Eu tenho muito orgulho da menina que fui e de como transformei em luta e amor toda a dor causada pela violência que as meninas/mulheres gordas sofrem", disse.

Outra publicação faz montagens para parecer que Manuela possui tatuagens no corpo das lideranças comunistas históricas Che Guevara e Lênin, o que é falso. Entre os boatos, há também a falsa conexão entre Manuela e Adélio Bispo, que cometeu um atentado contra Jair Bolsonaro, então candidato a presidente, em 2018.

Uma postagem afirma que Manuela trocou "o crucifixo no ânus por um escapulário católico" e "roupas recatadas". Em outra, que ela disse que o "cristianismo vai desaparecer".

No total, as postagens somam 529.075 compartilhamentos.

Procurado pela reportagem, o Twitter informou que suas medidas estão indicadas nos Tweets". O Facebook é dono do Instagram, que também cumprirá as decisões. A reportagem procurou também o YouTube para que comentem se a decisão será cumprida, mas ainda não obteve retorno.

Segundo Lucas Lazari, advogado da coligação de Manuela, o rito adotado pela Justiça Eleitoral permite uma resposta mais rápida porque as plataformas são notificadas digitalmente, o que acelera a remoção do conteúdo. Para Lazari, o mesmo procedimento poderia ser adotado pela Justiça comum, para evitar a prolongação dos danos das informações falsas.