Justiça nega candidatura de ex-governador em disputa por vaga no Senado em Mato Grosso

PABLO RODRIGO
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* CUIABÁ, MT, 06.12.2018 - O então governador de Mato Grosso, Pedro Taques, durante entrevista em dezembro de 2018. (Foto: Edson Rodrigues/Folhapress)
*ARQUIVO* CUIABÁ, MT, 06.12.2018 - O então governador de Mato Grosso, Pedro Taques, durante entrevista em dezembro de 2018. (Foto: Edson Rodrigues/Folhapress)

CUIABÁ, MT (FOLHAPRESS) - A Justiça Eleitoral de Mato Grosso negou o registro de candidatura do ex-governador Pedro Taques (SD), que concorre na eleição suplementar ao Senado em 15 de novembro. Cabe recurso.

Em decisão unanime pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), a Corte Eleitoral entendeu que Taques se encontra na lista de ficha suja, por condenação pela prática de conduta vedada a agentes públicos, com anotação sobre possibilidade de inelegibilidade em candidatura futura.

Taques foi condenado no dia 8 de setembro pelo Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, por conta da Caravana da Transformação, realizada em 2018, durante período eleitoral.

Segundo a denúncia, o programa assistencialista foi uma forma de promoção pessoal e distribuição gratuita de benefícios.

O ex-governador já havia recorrido da condenação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), porém, o ministro Mauro Campbell negou o recurso. Taques também foi condenado a pagar R$ 50 mil em multa eleitoral.

A eleição suplementar para o Senado em Mato Grosso, ocorrerá concomitante com as eleições municipais deste ano, após cassação da ex-senador Selma Arruda (Pode), conhecida como "Moro de Saias".

Além de Taques, concorre a vaga o senador interino Carlos Fávaro (PSD), o deputado federal José Medeiros (Pode-MT), coronel Fernada (Patri), o ex-deputado federal Nilson Leitão (PSDB), os deputados estaduais Valdir Barranco PT) e Elizeu Nascimento (DC), os empresários Reinaldo Moraes (PSC), Euclides Ribeiro (Avante), Feliciano Azuaga Novo) e Procurador Mauro (Psol).