Justiça de Nova York marca para 15 de julho depoimento de Trump em investigação sobre fraude

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O ex-presidente Donald Trump, além de seus filhos Donald Jr. e Ivanka, deverão prestar depoimento, no dia 15 de julho, em uma investigação civil sobre as práticas das empresas controladas pela família, em um processo que o republicano chama de “politicamente motivado”.

Entenda: Veja as investigações e processos que ameaçam os planos de Donald Trump

Versões: Trump se exime de responsabilidade de parar invasão do Capitólio e diz que queria ter marchado com apoiadores

De acordo com um documento judicial, revelado à imprensa nesta quarta-feira, eles serão ouvidos de forma individual e a portas fechadas pelos promotores chefiados pela procuradora-geral de Nova York, Letitia James.

A investigação, aberta por James em 2019, tem como alvo os negócios da Organização Trump, acusada de manipular valores de bens, como imóveis e terrenos, para obter melhores termos em negociações de seguros e de empréstimos bancários, além de buscar benefícios fiscais junto a órgãos públicos.

Trump, que alega inocência, vem travando uma batalha jurídica para não testemunhar nas investigações, mas sofreu duas duras derrotas este ano. Em fevereiro, o juiz Arthur Engoron determinou que o ex-presidente e seus dois filhos cumprissem as ordens de Letitia James e, além dos depoimentos, entregassem documentos apontados como necessários.

Segundo o magistrado, a investigação conduzida pela procuradora descobriu uma grande quantidade de provas de possível fraude financeira na Organização Trump, e afirmou que James “tem o claro direito” de fazer perguntas aos responsáveis pelo grupo.

Os advogados recorreram, e sofreram nova derrota no final do mês passado, agora em um tribunal de apelações de Nova York. O ex-presidente também precisou pagar multa de US$ 110 mil [R$ 538 mil] por se recusar a entregar os documentos exigidos, como extratos bancários e contratos.

Irregularidades?: Ao deixar Casa Branca, Trump levou para Flórida documentos secretos sobre segurança nacional

Trump, Ivanka e Donald Jr. têm até o dia 13 de junho para apresentar um recurso e evitar os depoimentos. Um outro filho de Trump, Eric, testemunhou em 2020, mas não respondeu de forma concisa às perguntas de James. A Organização Trump também é investigada pelo distrito de Nova York por fraudes fiscais e de seguros, mas ainda não há previsão de abertura de processo na esfera criminal.

O ex-presidente nega todas as acusações, e afirma que o processo tem motivações políticas — ele menciona com frequência que James é filiada ao Partido Democrata —, e que faz parte de uma ofensiva para minar sua provável candidatura à Casa Branca, em 2024. Apesar de considerado favorito dentro do Partido Republicano, Trump ainda não confirmou se buscará um novo mandato.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos