Justiça peruana proíbe saída do ex-presidente Vizcarra do país

·1 minuto de leitura
O ex-presidente peruano, Martín Vizcarra, em 9 de novembro de 2020
O ex-presidente peruano, Martín Vizcarra, em 9 de novembro de 2020

A Justiça peruana proibiu nesta sexta-feira (13) o ex-presidente Martín Vizcarra de deixar o país no prazo de 18 meses, sob denúncias de que ele teria recebido propina para autorizar obras públicas quando era governador de Moquegua (sul), em 2014.

"Determina-se o impedimento de saída do país contra o investigado Martín Vizcarra; a medida terá a duração de 18 meses", anunciou a juíza María Álvarez em audiência judicial.

Vizcarra é acusado de ter recebido propina para dar luz verde a obras públicas quando era governador da região de Moquegua.

Ele foi afastado do cargo na segunda-feira pelo Congresso em um processo de impeachment e posteriormente substituído pelo chefe do Parlamento, Manuel Merino, gerando uma onda de protestos nas ruas do país.

O advogado de Vizcarra, Fernando Ugaz, declarou ter aceitado um pedido do Ministério Público.

"Nos escritos que apresentamos ao Ministério Público desde a terça-feira, mostramos a eles nossa disposição de permanecer no país para participar das investigações", ressaltou na audiência.

cm/fj/rsr/bn/mvv