Justiça rejeita recurso da Prevent Senior e operadora deposita R$ 1,9 mi de reembolso a paciente

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 20.03.2020 - Hospital Santa Maggiore, da Prevent Senior, em São Paulo. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 20.03.2020 - Hospital Santa Maggiore, da Prevent Senior, em São Paulo. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Prevent Senior depositou nesta segunda-feira (4) o valor de R$ 1.926.399,65 em uma conta judicial para arcar com os custos do tratamento contra a Covid-19 recebido por um paciente da operadora -Carlos Alberto Reis, 61- no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

O pagamento foi feito depois que um recurso apresentado pela empresa foi indeferido pela desembargadora Ana Maria Baldi, da 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do estado, relatora do caso sobre o atendimento de Reis, que é químico aposentado.

O agravo da rede de planos de saúde pretendia suspender o reembolso ao hospital, decidido em 1ª Instância na ação que aponta para uso de medicamentos experimentais, sem autorização, e para indícios de falhas no atendimento da Prevent Senior ao paciente.

Nos autos, a empresa nega as falhas e alega que a família transferiu Reis de um hospital da rede credenciada para o Einstein por opção, e não pela falta dela. Procurada, a operadora informou que vai recorrer da decisão.

No despacho, a desembargadora afirmou que o relatório médico apresentado pela Prevent Senior, "além de ser genérico, contrasta com o prontuário médico de atendimento do paciente, o qual confirma a existência de indícios de que houve falhas no tratamento".

Ela disse ainda que o próprio prontuário de Reis confirma que não havia no hospital da Prevent medicamento necessário à correta ventilação mecânica indicada para seu caso, apontado no documento como "gravíssimo".

A magistrada destaca ainda que o prontuário de Carlos registra o uso de flutamida, medicamento não indicado para tratamento da Covid-19.

Na decisão, a desembargadora pede que caso seja remetido para o Ministério Público, "para providências que entender cabíveis", diante do que apontou como "gravidade da situação trazida nesta demanda e a inequívoca similaridade com fatos narrados de investigações em andamento".

Oitava maior operadora de assistência em saúde do país, a Prevent Senior está envolvida num escândalo que aponta para a prescrição em massa de remédios sem eficácia no tratamento da Covid-19, para o tratamento de pacientes como cobaias e para fraudes em prontuários e atestados.

Há indícios de alteração dos atestados de óbitos de figuras como o médico Anthony Wong -defensor do chamado "tratamento precoce" com cloroquina e ivermectina, entre outros medicamentos sem eficácia comprovada- e da mãe do empresário bolsonarista Luciano Hang.

Em relação ao uso de medicamentos sem eficácia, a Prevent alega que os médicos que realizaram denúncias contra a operadora de saúde prescreveram remédios do chamado "kit Covid" para si e para seus familiares.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos