Justiça de SP proíbe cultos e missas para ajudar a conter disseminação do coronavírus no estado

Guilherme Caetano
Igreja do Divino Espírito Santo na rua Frei Caneca está fazendo as missas do lado de fora para evitar o contágio do coronavírus

SÃO PAULO — A Justiça de São Paulo atendeu na última sexta-feira a um pedido do Ministério Público (MP) para proibir a realização de cultos e missas em todo o estado. A medida visa conter a disseminação do coronavírus, que já deixou 15 mortos e 396 casos confirmados no estado.

O governo João Doria (PSDB) já havia recomendado, no dia anterior, que templos e igrejas da região metropolitana evitassem celebrações religiosas com aglomerações de pessoas. Desde a última semana, algumas instituições religiosas haviam começado a realizar seus eventos do lado de fora dos prédios.

O juiz Randolfo Ferraz de Campos, da 14ª Vara Pública da Capital, determinou a suspensão imediata de "qualquer atividade não essencial e de eventos religiosos" e a interdição dos estabelecimentos que descumprirem a liminar, se necessário. Ele justificou o rigor da medida, em razão de declarações recentes como as do pastor Silas Malafaia. O religioso disse inicialmente que não suspenderia seus cultos, mas voltou atrás na sexta-feira.

"A mera recomendação para suspensão de atividades religiosas se revela inadequada e ineficiente, tanto que líderes religiosos afirmam que somente cessariam suas atividades com a intervenção judicial, diante da ausência de medidas coercitivas ", escreveu Campos em um dos trechos da sentença: " É sabido e notório o grande número de fiéis de tais igrejas, inferindo-se a potencialidade do contágio do coronavírus para vários cidadãos do município de São Paulo".

Malafaia afirmou, após uma semana de relutância, que irá suspender os cultos da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, que tem 116 congregações no Brasil. Em vídeo publicado nas redes sociais, ele informou que irá interromper as reuniões com fiéis diante do avanço do novo coronavírus e que, também por causa da epidemia, ampliará o horário de funcionamento de seus templos.