Justiça de SP suspende visita a 61,5 mil presos na região oeste do estado

ROGÉRIO PAGNAN
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, BRASIL, 20-03-2014 - Tropa de Choque da Polícia Militar entra no Centro de Detenção Provisória (CDP) no Belém, Zona Leste de São Paulo. Os agentes penitenciários, em greve há dez dias, impediram a entrada de caminhões com cerca de 100 presos na unidade. (Foto: Adriano Lima/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Justiça de São Paulo determinou a suspensão de visitas, por tempo indeterminado, a presídios existentes na região oeste do estado.

A determinação atende pedido do Ministério Público de Presidente Prudente, por conta do coronavírus, e atinge 61.500 presos de 45 unidades na região. O estado tem cerca de 230 mil presos.

Para o juiz Darci Lopes Beraldo, da Vara da Fazenda Pública, essa medida já deveria ter sido tomada pelo governo paulista.

"Aliás, incompreensível como que, diante da pandemia, com medidas restritivas de direitos adotadas mundo afora, somente vistas em filmes de ficção, o Governo de São Paulo ainda não tenha tomado medida tão necessária com a da suspensão de visitas nas Unidades Penais", diz trecho da decisão.

A expectativa é a de que outros núcleos do Ministério Público possam tomar tal medida e suspender a visitação no estado.

Na quinta (19), a Secretaria da Administração Penitenciária havia limitado a um visitante por preso, sendo vetado o acesso de pessoas com mais de 60 anos ou menores de 18. Também estão proibidos o acesso de pessoas doentes. A Secretaria afirma que não há nenhum preso com o vírus até o momento.