Justiça abre ação penal contra presidente do Flamengo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Rodolfo Landim será investigado por gestão fraudulenta. Foto: Wagner Meier/Getty Images
Rodolfo Landim será investigado por gestão fraudulenta. Foto: Wagner Meier/Getty Images

A Justiça acatou denúncia do Ministério Público Federal (MPF) e instaurou ação penal contra o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, por gestão fraudulenta. Além do mandatário flamenguista, serão investigados os representantes das empresas Mare e Mantiq, Nelson José Guitti Guimarães, Demian Fiocca, Geoffrey David Cleaver e Gustavo Henrique Lins Peixoto.

Todos os nomes são acusados de terem lesado os fundos de pensão Funcef, Petros e Previ, em caso ocorrido antes da chegada de Landim à presidência do Flamengo. Eles terão prazo de dez dias para responder a acusação por escrito, alegando defesa, enviando documentos, justificações e especificando provas, além de indicar as testemunhas para o caso.

Leia também:

A denúncia foi feita pelo Ministério Público Federal em julho e aponta que o FIP Brasil Petróleo 1, fundo gerido pelos executivos citados, infringiu o regulamento do FIP ao remeter dinheiro para o exterior.

Empresa americana foi usada na operação

A empresa americana Deepflex teria sido usada como ponte para a remessa de dinheiro ao exterior, mas com o processo de falência da companhia, os valores teriam sumido.

Na decisão, o juiz Frederico Botelho de Barros Viana, da 10ª Seção Judiciária do Distrito Federal, pontuou que "a comunicação enviada ao MPF pelas autoridades da Suíça traz consigo indícios de cometimento dos delitos de lavagem de dinheiro e de evasão de divisas, os quais devem ser melhor apurados."

A Justiça também determinou a manutenção do bloqueio do valor constante na conta Termogas International Inc. A medida "assegura - em parte - o valor necessário para o ressarcimento dos prejuízos supostamente causados por Landim durante a gestão do FIP Brasil Petróleo 1."

A conta da empresa teria recursos de Landim, com suspeitas de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O presidente do Flamento transferiu, segundo o MP, US$ 643 mil. Ainda segundo o MP, a manobra para viabilizar a suposta irregularidade consistiu na criação das empresas Brasil Petróleo e Participações SA e Deepflex do Brasil, que teriam sido usadas como fachada.

O MPF acredita que o rombo supere os R$ 100 milhões e pede que os denunciados paguem três vezes o valor deste montante, com correção a partir da taxa Selic.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos