Justiça condena Alexandre Frota a indenizar deputado bolsonarista por tweet ofensivo

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) e o deputado estadual Douglas Garcia (PTB-SP)

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) foi condenado pela Justiça de São Paulo a indenizar o deputado estadual Douglas Garcia (PTB-SP) em R$ 15 mil por publicações no Twitter consideradas ofensivas ao parlamentar de extrema-direita, apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Em maio de 2020, Douglas Garcia disse que representaria contra Frota e a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) na Procuradoria-Geral da República para que fossem investigados “por envolvimento com grupos radicais e violentos que pregam o extermínio de opositores políticos, autodenominados Antifas”.

Leia também:

“Representarei a deputada Sâmia Bomfim e o deputado Alexandre Frota na PGR para que se investigue o envolvimento de ambos com grupos radicais e violentos que pregam o extermínio de opositores políticos, autodenominados Antifas, e que neste momento estão na avenida Paulista fazendo arruaça. É inadmissível que parlamentares incentivem a existência de grupos que defendem a violência a opositores políticos!”, escreveu Douglas no Twitter.

Frota respondeu ao parlamentar bolsonarista com o seguinte tweet: “Não precisa me investigar, seu c... frouxo, eu sou Flamengo. Você chegou por minha causa e às minhas custas, almoçou porque te dei comida, aliás, para você e sua família, seu b.... Até sua ‘namorada fake’ você me apresentou, depois veio com papo que se achou na r... grossa”.

Em decisão proferida na última sexta-feira (5), a juíza Ligia Bueno, do TJ-SP, afirma que "ao disponibilizar informação, opinião e comentários nas redes sociais, os usuários se tornam responsáveis principais e imediatos pelas consequências da livre manifestação de seu pensamento que, por não ser ilimitada, sujeita o responsável à possibilidade de ser condenado pelos abusos que venha a praticar em relação ao direito de terceiros".

Procurada pelo site Congresso em Foco, a assessoria de Alexandre Frota disse que o deputado “não retira nada do que falou” e que vai recorrer da decisão.