Justiça condena mineradora que obrigava trabalhador a ficar seminu durante revistas

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Close up lawyer businessman working or reading lawbook in office workplace for consultant lawyer concept.
Empresa terá que pagar indenização de R$ 3 mil ao ex-funcionário
  • Justiça condena mineradora que obrigada funcionário a ficar nu durante processo de revista

  • Empresa terá que pagar R$ 3 mil de indenização

  • Juiz considera que houve abuso de poder

Uma mineradora foi condenada a indenizar em R$ 3 mil um trabalhador por danos morais depois de obrigá-lo a ficar seminu três vezes ao dia para procedimento de revista. O ex-funcionário da empresa de Itabira, no quadrilátero ferrífero, em Minas Gerais, conta que ficava só de cueca na frente dos colegas. A mineradora recorreu, mas a 8ª turma do TRT-3 manteve a condenação.

Leia também:

Segundo a companhia, não havia constrangimento durante a revista e o funcionário não ficava nu. Sendo assim, para a mineradora, esse procedimento não afrontou a dignidade, a honra ou a intimidade do ex-funcionário e dos outros empregados. 

A empresa ainda argumentou que trabalha com extração de esmeralda e que, por isso, precisa adotar medidas preventivas, já que são pedras preciosas. Uma testemunha afirmou que, na hora do almoço e na saída da mina, os funcionários precisavam tirar o macacão e ficar seminus para que os vigilantes apalpassem a peça de roupa. Para terminar o processo, quando os trabalhadores já estavam vestidos para ir embora, mais uma revista com apalpação de bolsos e das partes íntimas. 

Abuso de poder

Para o juiz Delane Marcolino Ferreira, fazer a revista não é algo ilegal e acontece para fiscalizar. Entretanto, segundo Ferreira, o uso exacerbado dessa ferramenta ou a exposição do funcionário extrapolam os direitos do empregador. 

Segundo o magistrado, a descrição da testemunha sobre o processo de revista torna evidente a ofensa à intimidade e à dignidade do trabalhador, "não sendo a revista aleatória, mas realizada em todos os empregados, três vezes ao dia e de forma não reservada". Para ele, houve abuso de poder da empresa, já que também foram relatadas apalpações.