Justiça dá 72 horas para Governo Bolsonaro provar acusação de fraude eleitoral

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro attends a ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, Brazil on January 12, 2021. (Photo by Sergio Lima / AFP) (Photo by SERGIO LIMA/AFP via Getty Images)

A Justiça Federal de São Paulo deu 72 horas para o Palácio do Planalto provar as acusações de fraude na eleição presidencial de 2018, vencidas por Jair Bolsonaro (sem partido).

Segundo a revista Época, a decisão foi assinada na última quinta-feira (21) pela juíza Ana Lucia Petri Betto, em uma ação movida pelo Livres, movimento de renovação política de dissidentes do PSL (Partido Social Liberal), legenda pela qual Bolsonaro se elegeu presidente e com a qual rompeu em novembro de 2019.

Leia também

“Como há muito tempo Jair Bolsonaro faz tais declarações e não apresenta prova alguma, apenas por meio do Poder Judiciário é que se pode responder duas perguntas advindas da referida afirmação: Houve fraude eleitoral em 2018? Onde estão as provas?”, afirmou o movimento à Justiça.

"Creio que o presidente terá a oportunidade perfeita de mostrar à nação aquilo que ele diz ter”, disse Irapuã Santana, autor da ação e professor do Centro Universitário de Brasília. Mestre em Direito Processual pela UERJ, ele foi assessor do ministro Luiz Fux no STF (Supremo Tribunal Federal) e no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Em março de 2020, Jair Bolsonaro afirmou sem provas que teria sido eleito presidente da República no primeiro turno.

“Eu acredito que, pelas provas que tenho em minhas mãos, que vou mostrar brevemente, eu tinha sido, eu fui eleito no primeiro turno, mas no meu entender teve fraude. E nós temos não apenas palavra, nós temos comprovado, brevemente eu quero mostrar”, disse o presidente.

Poucos dias depois, a Secretaria de Assuntos Jurídicos do Palácio do Planalto negou ter documentos sobre as supostas fraudes.

No dia seguinte à invasão do Congresso norte-americano por extremistas estimulados por Donald Trump, Bolsonaro ameaçou de maneira explícita um golpe de Estado: “Se nós não tivermos o voto impresso em 2022, vamos ter problema pior que os Estados Unidos”.