3º suspeito no ataque em Suzano se apresenta à polícia

Além de Guilherme Taucci (à esq.) e Luiz Henrique, um terceiro adolescente é suspeito de envolvimento no massacre em escola, em Suzano. (Foto: Reprodução/TV Globo)

O terceiro suspeito de participar do planejamento do ataque a tiros na Escola Estadual Raul Brasil se apresentou ao Fórum de Suzano, na Grande São Paulo, perto das 11h desta sexta-feira (15). Antes, ele fez exames de corpo de delito no IML (Instituto Médico Legal).

Este era o prazo dado pela Vara da Infância e da Juventude, que determinou a apreensão do jovem de 17 anos na noite de quinta (14). Ele também é ex-aluno da escola e estudou na sala de Guilherme Taucci Monteiro, 17, que, segundo a polícia, liderou o massacre, que deixou 8 mortos e 11 feridos na quarta-feira (13).

A participação deste terceiro envolvido teria ocorrido no planejamento da ação, segundo o delegado-geral da Polícia Civil, Ruy Ferraz Fontes. O dono do estacionamento onde Guilherme Taucci, 17, e Luiz Henrique de Castro, 25, guardaram o carro usado no ataque teria informado à polícia a participação de uma terceira pessoa.

Leia mais
Sobrevivente de ataque à escola diz que foi poupada

COMPRAS

O veículo também teria sido usado para armazenar as armas utilizadas no atentado. Segundo a polícia, as armas já vinham sendo adquiridas pela dupla desde novembro. No dia 24 daquele mês, os suspeitos compraram dois pares de botas pela internet, usadas no dia do massacre.

No dia 15 de fevereiro, também em um site, compraram um porta arco e flecha. Já no dia 8 de março, a dupla comprou uma bandoleira, uma espécie de alça de segurança para armas de fogo e um par de luvas, em uma loja no Tatuapé, na Zona Leste de São Paulo.

O ATAQUE

Guilherme e Luiz Henrique mataram cinco alunos, duas funcionárias e um empresário na Escola Estadual Professor Raul Brasil, na manhã de quarta-feira. Outras 11 pessoas ficaram feridas. Após os crimes, Guilherme matou Luiz Henrique com um tiro na cabeça, e cometeu suicídio.

Ainda de acordo com Fontes, os assassinos se inspiraram no massacre de Columbine, ocorrido em 1999, nos Estados Unidos. A dupla usou um revólver, carregadores, uma arma medieval e uma machadinha.

Antes do ataque na escola, mataram o tio do adolescente, Jorge Antonio de Moraes. Morreram os estudantes Kaio Lucas da Costa Limeira, Cleiton Antonio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melquiades Silva de Oliveira e Douglas Murilo Celestino e as funcionárias Marilena Ferreira Umezu e Eliana de Oliveira Xavier.