Justiça determina que redes sociais apaguem posts de Sara Giromini que expõe menina de 10 anos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
BRASILIA, BRAZIL - MAY 09: Sara Winter, the leader of the extreme right group "300 do Brasil" and supporter of Brazilian President Jair Bolsonaro, reacts during a motorcade and protest against the National Congress and the Supreme Court over lockdown measures amidst  the coronavirus (COVID-19) pandemic at the Planalto Palace on May 09, 2020 in Brasilia. Sara Winter was arrested on June 15 by the Federal Police as part of an investigation into the financing of anti-democratic protests. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
Sara Giromini foi presa pela PF por participar de atos antidemocráticos (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)

A Justiça do Espírito Santo determinou que Facebook, Twitter e Google excluam as publicações de Sara Giromini, conhecida como Sara Winter. Os posts são relacionados à criança de 10 anos que passou por um procedimento de interrupção de gravidez, depois de ser estuprada por um tio. A informação foi revelada pelo portal UOL.

A decisão tem caráter liminar e as plataformas tem até 24 horas para retirarem as postagens. Caso não o façam, a multa é de R$ 50 mil por dia.

Bolsonarista e ativista de extrema direita, Sara Giromini divulgou nas redes sociais o endereço do local onde seria feito o aborto da criança, além do nome dela, o que vai contra o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Ela ainda ofendeu o médico que faria o procedimento e pediu para que os seguidores rezassem. Após a divulgação, extremistas religiosos foram até o local para tentarem impedir o aborto.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A menina teve autorização da justiça para realizar a interrupção da gravidez no Recife. Ela era vítima de estupro há quatro anos.

Na decisão, obtida pelo UOL, o juiz afirma que não quer ir contra a liberdade de expressão, no entanto, “consoante se extrai dos autos os dados divulgados são oriundos de procedimento amparado por segredo de justiça".

Leia também

Sara Giromini foi presa em junho pela Polícia Federal por ter participado de atos antidemocráticos, com pautas como fechamento do Congresso e do STF. Atualmente, ela está fora da prisão, mas com tornozeleira eletrônica.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos