Justiça mantém prisão de filha acusada de dar golpe de R$ 725 milhões na mãe idosa

Sabine Boghici é acusada de ser a mentora de um grupo que deu golpe milionário na própria mãe. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)
Sabine Boghici é acusada de ser a mentora de um grupo que deu golpe milionário na própria mãe. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

O Tribunal da Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) decidiu por manter a prisão temporária de Sabine Boghici, filha da idosa que foi vítima de um golpe milionário, e das falsas videntes Rosa Stanesco Nicolau e Jacqueline Stanescos Gouveia.

Além delas, a Justiça decidiu pela prorrogação da prisão de Gabriel Nicolau, filho de Stanesco. As investigações apontam pela participação dos quatro no crime de extorsão e ameaça.

Sabine Coll Boghici é filha do curador e galerista Jean Boghici, falecido no Rio de Janeiro em 2015, e da francesa Geneviève Rose Marie Coll Boghici, 82 anos. Ela é acusada de dar golpe na mãe idosa com a ajuda dos três comparsas.

De acordo com a Polícia Civil, os suspeitos roubaram aproximadamente R$ 725 milhões — entre obras de artes, joias e dinheiro da idosa.

Cárcere privado e ameaças

De acordo com as investigações e denúncia da própria vítima à polícia, Sabine Boghici planejou tirar dinheiro da mãe através de falsas videntes. Em depoimento, a idosa afirmou que em janeiro de 2020 foi abordada por uma mulher ao sair de uma agência bancária. Para a idosa, a mulher se apresentou como vidente de nome Diana e teria dito que a filha dela estava bastante doente e que em breve morreria.

A idosa levou a suposta vidente até o apartamento onde mora, em Copacabana, zona sul do Rio. No local, a golpista jogou búzios e atestou o “evento trágico”.

Após esse momento, a idosa foi convencida de que precisava salvar a filha, providenciando um tratamento espiritual para ela. Desse modo, diante das previsões das falsas videntes e levando em conta que Sabine sofria de problemas psicológicos há anos, a idosa passou a pagar para as farsantes realizarem um trabalho, que se iniciou em 22 de janeiro de 2020 e se estendeu até 5 de fevereiro de 2020.

Após esse período, em que foram feitas transferências bancárias milionárias, a idosa foi presa dentro de casa. Com a alegação de evitar que a mãe fosse contaminada com Covid-19, Sabine despediu os funcionários que trabalhavam para a mãe, passando a ameaçá-la de morte com o uso de uma faca. Segundo o delegado, a vítima conseguiu escapar do apartamento em 7 de abril de 2021, após ter sido deixada sozinha. A idosa usou uma chave reserva que tinha para fugir

Denúncia

A idosa demorou para denunciar o ocorrido porque não queria incriminar a própria filha. Entretanto, em janeiro deste ano, ela resolveu contratar um advogado e denunciar o que sofreu.

De acordo com a investigação, Sabine roubou da mãe jóias e três relógios da marca Rolex, avaliados em R$ 6 milhões. Além disso, o grupo retirou cerca de R$ 5 milhões das contas bancárias da idosa e levou 16 obras de artistas renomados, como Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti. Destas, 14 foram recuperadas.