Justiça prende envolvido em confusão na final da Champions League

Confusões fora do estádio atrasaram o início da decisão da Champions League em maio. Foto: Thomas Coex/AFP via Getty Images
Confusões fora do estádio atrasaram o início da decisão da Champions League em maio. Foto: Thomas Coex/AFP via Getty Images

As investigações sobre os incidentes na final da Champions League em 28 de maio, disputada no Stade de France, deram frutos com um primeiro processo judicial contra um homem que está em prisão provisória por ter agredido alguns torcedores espanhóis.

O procurador de Bobigny, Éric Mathais, responsável por estas investigações, deu declarações ao jornal Le Parisien sobre este primeiro processo transmitido aos tribunais uma vez concluído pela célula especial que foi criada com uma dúzia de policiais que revisaram "milhares de horas" de gravações de vídeo.

Leia também:

Mathais confia que haverá outros, depois do acusado, um jovem da Costa do Marfim que chegou a França em 2018, onde se encontra em situação irregular, ter requerido nesta terça-feira (20) perante um tribunal de Bobigny, o adiamento de seu processo para prepará-lo.

Enquanto isso, este morador da cidade de Epinay sur Seine, perto de Saint-Denis, onde fica o Stade de France, permanecerá atrás das grades acusado de ter roubado o celular de um torcedor espanhol e de ter espancado seu pai que tentou defendê-lo.

Ele também está sendo processado por ter espancado um policial que o perseguia e que, em decorrência do ataque, esteve afastado por 21 dias.

Uma vez preso, foram encontrados quatro telefones desse homem que trabalha como entregador e que admitiu ser viciado em ansiolíticos e que fuma meia dúzia de baseados diariamente.

Segundo o Le Parisien, foram registradas 245 denúncias pelos ataques e agressões contra torcedores do Real Madrid e do Liverpool que compareceram à final da Liga dos Campeões, das quais 130 chegaram pelo correio, como foi proposto aos torcedores espanhóis e ingleses.

O exame dos vídeos pela polícia possibilitou verificar que os autores desses crimes não foram os torcedores, mas sim moradores da região que aproveitaram a concentração para cometer roubos e ataques.