Kamala Harris defende direito ao aborto e pressiona Corte Suprema dos EUA, que ameaça derrubar lei

Os juízes podem decidir até o final de junho pela revogação da lei em nível federal. Se isso ocorrer, a criminalização ou não do aborto seria da alçada dos 50 estados da União. Segundo a vice-presidente americana, o fim do decreto que legalizou o aborto em 1973 representaria um "retrocesso".

David Thomson, correspondente da RFI em Miami

A vice-presidente americana, Kamala Harris, defendeu a legalização do aborto durante uma vídeoconferência ocorrida na Casa Branca, nesta quinta-feira (19), ao lado de dois ginecologistas e dois representantes de programas de planejamento familiar. Um dos profissionais trabalha no Texas, estado onde os representantes do Partido Republicano praticamente proibiram a interrupção voluntária da gravidez, prevista pela lei conhecida como "Roe versus Wade".

A lei que garante às mulheres esse direito é resultado de uma batalha judicial histórica impetrada por uma americana, nos anos 1970 ,contra o procurador de Dallas, Henry Wade. Ela preferiu se manter no anonimato e utilizou o pseudônimo Jane Roe.

Kamala Harris, primeira mulher vice-presidente dos Estados Unidos, já denunciou diversas vezes a intenção da Corte Suprema de abolir a lei. Um documento interno da instância, divulgado em maio no site Politico, mostra que a maioria dos juízes seria favorável ao cancelamento do decreto que legalizou o aborto nos anos 1970."A força do nosso país é acreditar na extensão dos direitos, não em sua restrição", declarou.

Oklahoma proíbe aborto

Mulheres de baixa renda serão as mais afetadas

(RFI e AFP)


Leia mais

Leia também:
Mulheres pobres serão as mais prejudicadas se Suprema Corte americana derrubar decisão sobre aborto
Em Paris, Kamala Harris confirma compromisso dos EUA na luta contra a desigualdade global
EUA vivem dia de manifestações pelo direito ao aborto

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos