Kanye West: playlist do rapper é removida da Apple Music

A playlist "Kanye West Essentials" desapareceu da Apple Music. A lista de reprodução com os maiores sucessos do rapper saiu da gigante do streaming de música, depois dos seus repetidos comentários antissemitas, seguindo uma onda de empresas que tinham alguma relação com o artista, como Adidas, GAP e Balenciaga.

Kanye, que passou a adotar o nome artístico Ye, também foi banido do Twitter e do Instagram por violar as políticas de uso das plataformas.

Os advogados do rapper também se juntaram a esse movimento de represália aos comentários ofensivos e antissemitas do artista e anunciaram que não irão mais representá-lo, nesta quarta-feira. “Nós não o estamos representando no presente e não temos intenção alguma de representá-lo em qualquer momento no futuro”, disse, via e-mail, um porta-voz do escritório nesta quarta-feira.

O rapper chegou a ser “escoltado” por dois executivos para fora dos escritórios corporativos da gigante dos tênis "Skechers", também nesta quarta-feira, depois que o rapper apareceu sem ser convidado, informou a empresa em comunicado.

Daniel Ek, CEO do Spotify, concorrente da Apple Music, disse em entrevista a Reuters, nesta terça-feira, que as músicas do rapper não violaram as "políticas anti-ódio" do Spotify e, por isso, não seriam removidas do aplicativo. Ek explicou que, caso os comentários antissemitas de West tivessem sido feitos em algum podcast ou alguma gravação, teriam sido retirados do Spotify, de acordo com a sua política de discurso de ódio.