Karen Junqueira prepara vídeo sobre abuso infantil: 'Educação sexual não é falar precocemente sobre sexo'

Eduardo Vanini
·2 minuto de leitura

No ar em “Haja coração”, Karen Junqueira lança, até o fim do mês, um vídeo sobre a conscientização contra o abuso infantil. A atriz, de 37 anos, também vai enviar camisetas sobre o tema a colegas famosos, para gerar engajamento. Após revelar ter sido vítima de um estupro aos 12 anos, ela quer incentivar o diálogo franco entre pais e filhos para que o assunto não seja um tabu.

“Educação sexual não é falar precocemente sobre sexo. Os pais precisam ficar atentos aos sinais, como agressividade, medo e insônia, que podem indicar algo de errado”, diz.

Karen lembra que, a cada oito minutos, uma pessoa foi estuprada no Brasil, em 2020, sendo que quase 60% das vítimas tinham até 13 anos, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Apesar do quadro alarmante, ela acredita que os números sejam muito maiores, já que um grande número de pessoas não formaliza as denúncias.

"Muita gente não entende como funciona esse sentimento. É um machucado, uma dor, uma vergonha que fica dentro de você. Quis colocar a minha voz como um incentivo para que outras mulheres falem", comenta. "Depois de ter tornado minha história pública, recebi muitos relatos de pessoas que passaram por isso na infância. Então, quis ir além."

O vídeo, segundo ela, está passando pelos últimos ajustes e terá um conteúdo informativo. "Os pais usavam muito a expressão 'aborrecente' para falar dos filhos nessa idade. Mas eles podem não estar sendo difícieis e sim estarem dando sinais, a partir de seus comportamentos, de que passaram por algo grave. Muitas vezes, a pessoa é abusada por alguém bem próximo", alerta.

Karen lembra, ainda, que a inteligência das crianças não deve ser subestimada, na hora de abordar o assunto. "Se tratarmos o tema com naturalidade, elas vão entender dessa maneira. Elas precisam saber que não é qualquer pessoa que pode invadir a privacidade delas. Quando aconteceu comigo, por exemplo, eu não tinha essa noção."