Karol Conká, forte candidata à eliminação no 'BBB21', tem amigos e fãs para ampará-la aqui fora

Isabella Cardoso e Leonardo Ribeiro
·3 minuto de leitura

"Depois que o alarme tocar / Não adianta fugir / Vai ter que se misturar / Ou, se bater de frente, periga cair’’, canta Karol Conká em sua música mais famosa. E já que é pra tombar, ela tombou. A curitibana de 34 anos é a mais cotada para deixar o “Big Brother Brasil 21”, hoje à noite, no primeiro paredão que enfrenta após ser líder na semana passada e se livrar da berlinda na prova Bate e Volta na anterior. Na internet, o público organiza mutirões para que a cantora, vista pelo público como a “vilã’’ da edição, colocando fogo no parquinho, saia com uma rejeição maior que a de Nego Di, que atualmente lidera a lista com 98,76%.

“Tem gente que diz ‘agora está falando mal dela’. Claro! Eu não tinha pay-per-view. Agora vi tudo que ela fez e continua fazendo com as pessoas. Que mulher sem vergonha, é uma canalha, pilantra”, disse Nego Di nas redes sociais, ironizando que seu lado comediante adoraria ficar com o recorde: “Vou ficar com essa coroa para sempre’”.

A comemoração pelo paredão de Karol ultrapassou fronteiras e houve até desrespeito ao isolamento social. Na Vila da Penha, na Zona Norte do Rio, fãs do programa, aglomerados, de pé e sem máscara, celebraram a formação de paredão em torno de um telão instalado numa festa. Ex-affair da cantora na casa, Arcrebiano também vibrou pela berlinda, que mobilizou até um grupo de k-pop e diversos famosos, como Neymar, Richarlison, Marília Mendonça e Anitta.

O que parte das pessoas ressalta, no entanto, é que a torcida contra seja deixada de lado quando Karol sair do reality. Isso porque, por causa do programa, quem torce por Karol vem recebendo ameaças. É o caso de Camila Mendes, que segue a cantora há dez anos.

— Eu tive que trancar meu Instagram porque estava sofrendo ataques racistas, ameaça de morte... É algo surreal. Já foi além do cancelamento da internet. Eu não concordo com as atitudes dela dentro da casa, mas ela tem uma vida aqui fora. Antes de estar ali (no reality), já fez coisa boa para muita gente. O pessoal esquece por causa de um mês — pondera Camila, que apoiará a cantora quando ela sair: — Diferentemente do Nego Di, acredito que ela vai assumir seus erros. Ele está jogando tudo nas costas dela. Pelo que conheço da Karol, ela fará do limão uma limonada.

Fã-clubes da artista se mobilizam para tentar diminuir a rejeição e, é claro, recebê-la quando ela se der conta da repercussão negativa. Nicolas Veras, dono de um perfil em homenagem a ela, também acha pesado o cancelamento contra Karol na web.

— As pessoas perderam a mão e, na hora de julgar, não fazem diferente do que ela fez na casa — compara Nicolas, que não se surpreendeu com as atitudes dela no “BBB”: — A questão maior foi ver como os outros se chocaram em ver que um artista também erra.

Segundo a psicóloga Fabiane Curvo de Faria, para os famosos é mais difícil imaginar a rejeição fora da casa.

— Quando eles veem que não são amados, o tombo é pior — diz Fabiane, que ressalta a importância de uma rede de apoio após o programa: — Quem sai rejeitado precisa de pessoas que a conheçam não só pelo programa, mas pela vida, que sabem que ela não é só aquele momento. A família e os seus amigos te reconhecem por quem você é ao longo da sua trajetória.