Karol Eller, youtuber pró-Bolsonaro, é vítima de ataque homofóbico no Rio

Época

A youtuber Karol Eller, conhecida por ser defensora do governo Bolsonaro, foi alvo de um ataque homofóbico que deixou seu rosto desfigurado. Segundo o colunista Leo Dias, do Jornal de Brasília, a agressão ocorreu no último domingo, dia 15, em um quiosque na praia da Barra da Tijuca.

Ela estava acompanhada pela namorada quando foi agredida a socos e pontapés. Ainda de acordo com o jornalista, Karol chegou a desmaiar diante da brutalidade do ataque.

No Instagram, Karol Eller se pronunciou sobre o caso. ''Gostaria que vocês lembrassem de mim com esse rosto! Deus está no comando de tudo! Agora estou sem condições de falar ou fazer vídeos explicando'', escreveu a influencer.

Karol ainda adiantou que, quando estiver bem, usará as redes sociais para se comunicar com seus seguidores: ''Quando eu estiver bem, volto para falar com vocês! Obrigada a todos pelo suporte. Orem por mim.''

Amigo da youtuber, o vereador Carlos Bolsonaro postou uma foto de Karol após a agressão em suas redes sociais.

Defensora do governo bolsonaro

Karol Eller tem 79 mil seguidores no YouTube e 239 mil no Instagram. Somadas, as duas redes totalizam 6.022 publicações. Nas fotos, nos vídeos e nos textos, a youtuber aparece posando com o presidente Jair Bolsonaro, seu filho Eduardo, além dos ministros Sergio Moro, Paulo Guedes e Damares Alves.

Amiga próxima de Jair Renan, o caçula do clã, Eller aparece com o rapaz em suas postagens na residência e no carro oficiais do presidente.

Recentemente, Eller também também aproveitou para defender o presidente em entrevista no canal do YouTube de Antônia Fontenelle. "Para mim, ele foi a única pessoa que defendeu minha história. Eu tentava contar e ninguém me ouvia. Eu me sentia suja, me sentia errada. Eu era culpada daquilo e era do demônio. Ele [Bolsonaro] pode ser o Shrek, aquele ogro que o Brasil precisa. Você ser um político bonzinho, para abraçar, isso aí o Lula já foi”, disse.

Homossexual assumida, Karol Eller disse na entrevista que não vê diferença entre homofobia e preconceito.

"Homofobia é alguém que não suporta alguém, ela é agressiva. Preconceito é quando você tem o pré-conceito da figura do gay. E conservadorismo é quando você não tem nenhum preconceito, mas também você não quer para o seu filho. Que pai que quer ter o filho gay?", questionou, ressaltando que não fala em nome da comunidade LGBT.

Em seu Instagram, ela publicou um vídeo abraçando Damares Alves, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, no último dia 19. Na postagem, a política faz propaganda de Eller: "Eu sigo ela, eu me inspiro nela, é uma mulher guerreira e valente".

E Eller devolve a gentileza: "Eu que me inspiro na senhora, o Brasil inteiro também se inspira. Parabéns pelo trabalho".