Keiko Fujimori tem vantagem estreita em apuração no Peru, Castillo reduz diferença

·2 minuto de leitura
Apoiadores de Pedro Castillo acompanham divulgação dos primeiros resultados da apuração da eleição presidencial peruana em Tacabamba

Por Marco Aquino e Marcelo Rochabrun

LIMA/TACABAMBA, Peru (Reuters) - A candidata conservadora Keiko Fujimori mantinha uma vantagem estreita na apuração do segundo turno da eleição presidencial do Peru na manhã desta segunda-feira, mas seu rival socialista Pedro Castillo reduzia a diferença apontando para um resultado apertado.

A incerteza prevalecia sobre quem assumirá a Presidência de um país altamente polarizado, com a apuração oficial mostrando Keiko com 50,5% dos votos e Castillo com 49,5% com cerca de 90% dos votos apurados. A diferença vem diminuindo e a expectativa é que os votos que faltam ser contados venham das áreas rurais do país e favoreçam Castillo.

Uma contagem rápida e extraoficial divulgada na noite de domingo pelo Ipsos Peru deu uma vantagem bastante estreita a Castillo depois de uma pesquisa de boca de urna dizer que Keiko venceria por pouco, o que deixou investidores e mineradoras à mercê de especulações.

O desfecho provável, de um resultado apertado, pode provocar dias de indefinição e tensão, e a votação sublinha a disparidade acentuada entre a capital Lima e o interior rural que impulsionou o avanço inesperado de Castillo.

Lucia Dammert, uma acadêmica peruana radicada no Chile, previu que os próximos dias serão febris, com possíveis contestações dos votos e pedidos de recontagem, e anteviu protestos, particularmente se Keiko Fujimori vencer.

"O que está claro é que, se Keiko vencer, terá que se trancar em uma fortaleza em Lima e engolir o que acontecerá no resto do país", opinou.

À medida que os primeiros resultados entravam na noite de domingo, Castillo, filho de camponeses de 51 anos que prometeu reformular a Constituição e as leis de mineração do Peru, estimulava os apoiadores a "defenderem a votação", mas mais tarde pediu calma.

Keiko, de 46 anos, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, que está preso por abusos de direitos humanos e corrupção, também apelou por "prudência, calma e paz dos dois grupos".

O banco J.P. Morgan disse em um boletim que dias podem se passar até o resultado da eleição na nação andina rica em cobre ficar claro e que os dois candidatos podem optar por esperar o final do processo para declarar vitória ou reconhecer a derrota.

"A menos que a situação indefinida retratada pela contagem rápida se mostre errada, parecemos na iminência de vários dias de incerteza acentuada", disse a instituição financeira.

Na corrida polarizada, os rivais prometeram remédios muito diferentes para o Peru, que sofreu com escândalos de corrupção nos últimos anos e um declínio econômico acentuado resultante do surto de Covid-19 per capita mais mortífero do mundo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos