Harry e Meghan querem doações ao invés de presentes de casamento

Londres, 9 abr (EFE).- O príncipe Harry e sua noiva, Meghan Markle, pediram doações para várias organizações beneficentes, ao invés de presentes de casamento, perante a união matrimonial marcada para 19 de maio, informou nesta segunda-feira um porta-voz do Palácio de Kensington.

"O príncipe Harry e Maghan Markle não têm qualquer relação formal com as organizações escolhidas", apontou a mesma fonte oficial, ao esclarecer que o casal escolheu sete instituições caridosas às quais dirigirá as doações por "representar vários assuntos sobre os quais se sentem apaixonados".

Entre eles figuram os "esportes para a mudança social, o empoderamento das mulheres, a conservação, o meio ambiente, o HIV e as Forças Armadas", acrescentou.

"Muitas delas são organizações caridosas pequenas, e o casal se satisfaz em poder ampliar e iluminar o seu trabalho", apontou, além disso, esse porta-voz real.

Concretamente, as sete as organizações escolhidas pelo filho mais novo de Charles e Diana são: CHIVA (Associação de HIV infantil); Crisis; a Fundação Myna Mahila; Scotty's Little Soldiers - que vela por filhos de militares das Forças Armadas -; StreetGames; Surfers Against Sewage (Surfistas contra águas residuais); e a Fundação para a Vida Selvagem do Reino Unido.

Harry, de 33 anos, e a americana Meghan, ex-atriz divorciada de 36, se casarão após pouco mais de um ano de relação na capela de San George, no castelo de Windsor.

Embora a família real britânica arque com os custos da casamento, entre eles os do serviço religioso, a música, a decorações floral e a recepção, as despesas de segurança correrão a cargo do contribuinte. EFE