Juiz do STF autoriza novo inquérito contra Temer

Brasília, 12 set (EFE).- O presidente Michel Temer será investigado por suposta corrupção em relação a um decreto sobre o setor portuário com o qual teria favorecido os negócios de uma empresa particular, informou nesta terça-feira o Supremo Tribunal Federal (STF).

A autorização para esse novo inquérito em torno de Temer foi dada pelo juiz Luís Roberto Barroso perante as suspeitas de que um decreto que alterou artigos da lei que rege a atividade portuária foi uma espécie de "favor politico" à empresa Rodrimar.

A solicitação para averiguar o papel de Temer na emissão desse decreto foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República, que tem outras investigações em curso contra o governante que levaram até a uma acusação formal por corrupção, mas que foi rejeitada e arquivada por decisão da Câmara dos Deputados.

A base para estas novas suspeitas é que o decreto, assinado no último mês de maio, teria facilitado negócios da Rodrimar no porto de Santos, em troca de propinas pagas ao PMDB.

Na decisão que autorizou a investigação, Barroso disse que "a ninguém deve ser indiferente o ônus pessoal e político de uma autoridade pública, notadamente o presidente da República, figurar como investigado em procedimento dessa natureza".

No entanto, acrescentou que "este é o preço imposto pelo princípio republicano, um dos fundamentos da Constituição brasileira, ao estabelecer a igualdade de todos perante a lei e exigir transparência na atuação dos agentes públicos". EFE