Kilian Jornet cria fundação para proteger montanhas

Iúri Totti


Foi nas montanhas que Kilian Jornet ganhou fama, respeito e títulos. Vencedor das principais corridas de montanha do mundo, como Hardrock 100, Western States Endurance Run e Ultra Trail de Mont-Blanc, o espanhol vai defender os lugares que lhe deram tanta alegria. "Desde criança fui educado sobre a necessidade de proteger o meio ambiente e fiz tudo ao meu alcance. Agora quero dar um passo adiante e ajudar projetos, organizações e pessoas que se dedicam à preservação do planeta. O planeta precisa de toda a ajuda que pudermos dar ", afirma o espanhol em um comunicado anunciando a criação da Fundação Kilian Jornet.

Depois de dois anos de planejamento, ele lançou, com recursos próprios, sua fundação, com sede na Catalunha, para a preservação de montanhas e seu meio ambiente. “Tenho escalado montanhas e cruzado geleiras durante toda a minha vida e pude observar como os efeitos das mudanças climáticas têm sido devastadores. Todos nós temos um papel a desempenhar para reverter essa tendência e garantir que as gerações futuras possam não apenas brincar nas montanhas, mas também viver em um planeta saudável", afirmou o corredor, que no último dia 18 venceu a Sierre Zinal, nos Alpes suíços, com a participação de 25 atletas.

Para segundo ele, a fundação tem como objetivo a proteção das altas montanhas e geleiras. "Essas regiões são parte essencial da vida no planeta. Desde de o ciclo da água até a biodiversidade, e minha fundação vai trabalhar pela proteção dessas áreas e seu papel na saúde do planeta ”.

Kilian chama atenção para a influência das mudanças climáticas nas montanhas. "As mudanças climáticas estão colocando em risco o ambiente montanhoso. As mudanças que o planeta está passando afetam diretamente não só os ambientes montanhosos, mas também todos aqueles que deles dependem: a fauna, a flora e nós humanos."

O desenvolvimento sustentável é apontada pelo espanhol como uma forma de preservar as montanhas. "Proteger montanhas e aumentar seu desenvolvimento sustentável é fundamental e você pode começar pequeno. Esta proteção nos ajudará a aumentar a capacidade de recuperação de seus habitantes e também dos principais recursos que as montanhas proporcionam: alimentos, água ou a conservação da biodiversidade. Mudanças climáticas e outras precisam ser abordadas de forma holística. Coletar dados e aumentar a conscientização sobre a importância de pequenas ações para a mudança do sistema global que afeta as montanhas é fundamental".

Para colocar em prática os objetivos de sua fundação, Kilian aposta em criar ou financiar projetos para soluções de problemas ambientais e na educação. "Precisamos de ações diretas para preservar as montanhas, sem poluir. A Fundação quer criar ou financiar projetos voltados para a solução dos problemas ambientais da montanha. Por meios de seus canais e de parceiros, a fundação quer conscientizar sobre a importância da preservação do ambiente, utilizando a educação para estabelecer uma melhor relação entre o ser humano e a montanha".

Pesquisas para a preservação das montanhas também fazem parte da estratégia da fundação. "Queremos investir em estudos e serviços de monitoramento para entender melhor os efeitos das mudanças climáticas nos ambientes montanhosos e estabelecer as melhores ferramentas possíveis para enfrentá-los."

A primeira ação da Fundação Kilian Jornet é a parceria com o World Glacier Monitoring Service (WGMS), da Universidade de Zurique, entidade que desde 1894 acompanha a evolução das geleiras ao redor do mundo, especialmente nos Alpes e na Escandinávia. "A devastação causada pelo aquecimento global é mais do que visível em destinos como o Mer de Glace, no maciço do Monte Branco; os Pirenéus ou o Himalaia, onde o volume dos lagos glaciais aumentou perigosamente", alerta Jornet.

A Kilian Jornet Foundation, que procura investidores parceiros, comprometeu-se a financiar a compra de equipamentos para facilitar a pesquisa da WGMS, bem como programas educacionais em escolas.

Jornet comenta que sua fundação busca recursos para promover diferentes linhas de pesquisa voltadas para o aprofundamento do conhecimento sobre mudanças climáticas. "Faremos campanhas educativas e ações diretas como o reflorestamento, o desmantelamento de infraestruturas que não são mais úteis nas montanhas e que prejudicam o meio ambiente e a limpeza de enclaves contaminados".

Sobre este último ponto, ele destaca que “temos que ser consistentes, não basta organizar uma operação específica de coleta de resíduos, é preciso traçar mecanismos para reduzi-los e sistemas para retirá-los que perduram no tempo. Procuramos ideias, que as pessoas nos enviem suas propostas”.

Para conquistar a cumplicidade das pessoas no que diz respeito a respeitar os ambientes montanhosos e pedir-lhes que façam a sua parte na luta contra as alterações climáticas, o atleta sabe que deve dar o exemplo. “Sou uma pessoa pública e seria muito hipócrita dar mensagens em um sentido e fazer o oposto. Tenho seguido uma dieta vegetariana durante a maior parte da minha vida, minha parceira, Emelie, também. Temos o nosso jardim e compramos produtos locais e orgânicos sempre que possível. Mas, como atleta, o mais importante é contribuir para a emissão de menos gases de efeito estufa e os últimos dez anos da minha vida nesse aspecto foram desastrosos. Minha meta é emitir no máximo três toneladas de CO₂ por ano, o que é no máximo um voo intercontinental e dois continentais ”, detalha ele.

Diante disso, quando a nova normalidade pós-pandemia permitir, Kilian, que mora na Noruega, diz que: “só vou participar de corridas que significam muito para mim e que sejam organizadas perto de casa. A prioridade para 2021 é o montanhismo, o que mais o motiva hoje, e o Himalaia, no Nepal ou no Paquistão". (Iúri Totti/Corrida Informa)