Kim encomenda novos mísseis balísticos e maior arsenal nuclear para Coreia do Norte em meio a tensão

Por Hyonhee Shin e Joyce Lee

SEUL (Reuters) - O líder norte-coreano, Kim Jong Un, pediu o desenvolvimento de novos mísseis balísticos intercontinentais e um arsenal nuclear maior para conter as ameaças lideradas pelos Estados Unidos, informou a mídia estatal neste domingo, em meio à crescente tensão entre os dois rivais da península coreana.

Em uma reunião do Partido dos Trabalhadores, Kim destacou a necessidade de garantir "poder militar esmagador" para defender sua soberania e segurança.

A reunião ocorreu em meio a tensões na fronteira após a intrusão da semana passada por drones norte-coreanos na Coreia do Sul e a uma série de lançamentos de mísseis da Coreia do Norte, incluindo mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs).

O presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol, durante telefonemas com chefes militares, pediu "prontidão mental sólida e treinamento prático" para garantir que quaisquer provocações norte-coreanas sejam recebidas com retaliação, de acordo com um comunicado de seu gabinete.

Kim acusou Washington e Seul de tentar "isolar e sufocar" Pyongyang com recursos de ataque nuclear dos Estados Unidos constantemente implantados na Coreia do Sul, chamando-o de "sem precedentes na história da humanidade".

Ele prometeu desenvolver outro sistema ICBM "cuja principal missão é um contra-ataque nuclear rápido" sob um plano para reforçar a força nuclear do país, disse a agência de notícias oficial KCNA.

"A situação prevalecente exige esforços redobrados para fortalecer de forma esmagadora a força militar... em resposta aos movimentos militares preocupantes dos EUA e de outras forças hostis", afirmou.

Como parte do plano, o país também lançará seu primeiro satélite militar "o mais cedo possível", acelerando seu esforço para construir um satélite espião, com os preparativos em fase final, disse a KCNA.

(Reportagem de Joyce Lee, Hyonhee Shin e Jack Kim; Reportagem adicional de David Dolan em Tóquio)