Kremlin considera "mais passos" sobre alegação de que Reino Unido atacou gasodutos

Logo de Nord Stream em Zug, na Suíça

MOSCOU (Reuters) - A Rússia disse nesta terça-feira que está considerando quais "mais passos" tomar em relação à sua alegação de que o Reino Unido foi responsável por um ataque aos gasodutos submarinos Nord Stream.

O Ministério da Defesa da Rússia disse no sábado que militares da marinha britânica explodiram os gasodutos Nord Stream em setembro, uma afirmação que Londres disse ser falsa e que visa distrair de fracassos militares russos na Ucrânia.

"Há evidências de que o Reino Unido está envolvido em sabotagem... um ato terrorista contra a infraestrutura vital de energia", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a repórteres.

"Tais ações não podem ser deixadas de lado. Claro, vamos pensar em outras medidas. Definitivamente, não pode ficar assim", disse Peskov.

O Kremlin não forneceu evidências para apoiar suas alegações de que o Reino Unido está por trás das rupturas nos oleodutos Nord Stream que ameaçaram colocar a conexão de gás de vários bilhões de dólares permanentemente fora de uso.

O Kremlin também disse que nenhuma decisão foi tomada sobre a reparação dos gasodutos controlados pela Rússia.

Peskov disse que o Kremlin aguarda uma avaliação especializada dos danos e que ainda não foram tomadas decisões sobre o futuro do Nord Stream 1 ou do Nord Stream 2.

A Suécia ordenou na semana passada que investigações adicionais fossem realizadas sobre os danos. Autoridades na Suécia e na Dinamarca concluíram que os vazamentos de gás foram causados ​​por explosões, mas não disseram quem pode ter sido responsável.

(Reportagem da Reuters)