Kremlin diz esperar o melhor, mas se preparar para o pior ao ser indagado sobre nova Guerra Fria

·1 minuto de leitura
Porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em Moscou

MOSCOU (Reuters) - O Kremlin disse nesta sexta-feira que Moscou sempre espera o melhor, mas se prepara para o pior quando indagado sobre a possibilidade de uma nova Guerra Fria entre os Estados Unidos e a Rússia.

Os laços diplomáticos atingiram uma nova baixa nesta semana depois que o presidente norte-americano, Joe Biden, disse achar que o presidente russo, Vladimir Putin, é "um assassino" em uma entrevista, o que levou a Rússia a convocar seu embaixador nos EUA. Mais tarde, Putin propôs conversas virtuais com Biden nos próximos dias.

Nesta sexta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a oferta de Putin continua de pé, mas que a proposta não será mantida por tempo indeterminado.

"Putin disse que, apesar de tudo, não faz sentido ter uma diplomacia de megafone e trocar farpas. Existe um motivo para se manter as relações", disse Peskov aos repórteres em uma teleconferência.

Ele foi indagado sobre uma nova Guerra Fria entre os dois países.

"Nós, é claro, sempre esperamos o melhor, mas sempre estamos preparados para o pior. No que diz respeito à Rússia, o presidente Putin expressou claramente seu desejo de manter os laços...", disse.

"Mas, é claro, não podemos levar em conta os comentários de Biden", acrescentou, referindo-se à entrevista de Biden à rede ABC News transmitida na quarta-feira.

Biden disse "acho" ao ser indagado se acredita que o presidente russo é um assassino. Ele também descreveu Putin como alguém que não tem alma, e disse que ele pagará um preço por uma suposta intromissão da Rússia nas eleições presidenciais norte-americanas de 2020, algo que o Kremlin nega.

(Por Dmitry Antonov)