Kremlin diz que qualquer plano de paz para Ucrânia precisa incluir regiões anexadas

Carrossel em frente a torre do Kremlin e à catedral de São Basílio em Moscou

MOSCOU (Reuters) - O Kremlin rejeitou nesta quarta-feira plano de paz de 10 pontos do presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, dizendo que as propostas para acabar com o conflito na Ucrânia precisam levar em conta o que chama de "realidades de hoje" sobre quatro regiões ucranianas que se juntaram à Rússia.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou: "Não pode haver plano de paz para a Ucrânia que não leve em conta as realidades de hoje em relação ao território russo, com a entrada de quatro regiões na Rússia. Planos que não levem em conta essas realidades não podem ser pacíficos".

A Rússia declarou as regiões ucranianas de Donetsk, Luhansk, Kherson e Zaporizhzhia como parte de seu território em setembro, após referendos condenados pela Ucrânia e por países ocidentais. A Rússia não controla totalmente nenhuma das quatro regiões.

O presidente Zelenskiy tem promovido seu plano de paz de 10 pontos, que ele anunciou pela primeira vez em novembro, discutindo-o com o presidente dos EUA, Joe Biden, entre outros, e pedindo aos líderes mundiais para realizar uma Cúpula de Paz Global com base nele.

O plano prevê a retirada das tropas russas do território internacionalmente reconhecido da Ucrânia, o que significaria que a Rússia desistiria das quatro regiões que afirma ter anexado e da Crimeia, que tomou em 2014.

O Kremlin tem dito repetidamente que está aberto a negociações de paz com a Ucrânia, mas que não vê disposição de negociar por parte de Kiev.

(Reportagem da Reuters)