Kremlin: Rússia planeja "libertar" partes da Ucrânia que Moscou anexou

Local destruído por ataque russo na região de Kherson

MOSCOU (Reuters) - O Kremlin disse nesta quinta-feira que suas forças ainda estão decididas a tomar partes do leste e sul da Ucrânia que Moscou reivindicou como suas.

No entanto, o Kremlin não definiu totalmente os objetivos de sua campanha militar, e o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, pareceu estabelecer um limite no território ucraniano que a Rússia agora busca incorporar.

Moscou proclamou ter anexado quatro províncias da Ucrânia - Donetsk, Luhansk, Zaporizhzhia e Kherson - depois de realizar os chamados referendos em setembro, que foram rejeitados como falsos e ilegais por Kiev, o Ocidente e a maioria dos países nas Nações Unidas.

Nenhuma das províncias estava totalmente sob controle russo, e Moscou não deixou claro quanto delas estava anexando.

Questionado nesta quinta-feira se a Rússia planejava incorporar mais territórios além das quatro regiões, Peskov disse:

"Não há dúvida. Pelo menos, não houve declarações a esse respeito. Mas, no entanto, há muito trabalho pela frente para libertar os territórios; em várias novas regiões da Federação Russa há territórios ocupados que têm de ser libertados."

"Quero dizer parte da República de Donetsk, bem como o que se tornou parte da Federação Russa e depois foi reocupado pelas tropas ucranianas."

A Ucrânia expulsou as forças russas de uma pequena área da província de Luhansk e, no mês passado, o Exército russo abandonou todas as partes da província de Kherson que controlava na margem oeste do rio Dnipro, incluindo a capital da província, a cidade de Kherson.

(Reportagem da Reuters)