Lágrimas, silêncio e 'God save the Queen' em frente ao palácio de Buckingham

A multidão reunida em frente ao Palácio de Buckingham, em Londres, acompanhou nesta quinta-feira (8) o hasteamento da bandeira a meio mastro após a morte de Elizabeth II, às 18h30 locais (14h30 de Brasília). Às lágrimas, seguiu-se o silêncio e pouco depois começou a soar o hino nacional, "God save the Queen".

"Ah não!", ouviu-se na multidão quando foi anunciada a morte da monarca, de 96 anos.

Nas primeiras horas da tarde, admiradores, turistas e jornalistas começaram a se reunir em frente ao palácio, preocupados com o estado de saúde da rainha Elizabeth II, após um comunicado emitido pelo Palácio de Buckingham.

A monarca mais famosa do mundo faleceu em seu castelo de Balmoral, no norte da Escócia.

Ao longo da tarde, milhares de pessoas de todas as idades foram às portas do Palácio. Algumas choravam, outras levavam buquês de flores. De vez em quando, ouviam-se aplausos.

"Viemos homenageá-la. Era como uma avó para a nação. Era nossa consciência. É uma perda enorme", disse à AFP Sophie, uma inglesa de 27 anos.

"Claro que me sinto triste. Esteve presente por toda a minha vida. Representa muito para nós. Ninguém sabe o que vai acontecer sem ela", comentou Lukas Baskov, um inglês de 26 anos.

- A mãe da nação -

Joshua Ellis, londrino de 24 anos, deixou escapar algumas lágrimas. "Sei que tinha 96 anos, mas isso não me impede de estar em choque. Está nos nossos corações. É difícil definir o que significa ser britânico, mas sempre podíamos olhar e ver a estabilidade (...) Representava também um vínculo com a minha avó, que era uma grande admiradora e faleceu no ano passado", disse.

Para Suzan Antonowicz, "é como perder alguém da família". "Nós a conhecemos por toda a nossa vida. É a mãe da Nação. Foi heroica em tantas situações. Meu respeito por ela é incrível, mas meu amor é ainda maior. Durante anos vamos chorar por ela", acrescentou esta inglesa.

Referindo-se ao novo rei, Charles III, Antonowicz considerou que tem "muito talento". "Tenho muita esperança", acrescentou.

Nesta quinta-feira, os médicos da soberana haviam expressado "preocupação" em relação à saúde de Elizabeth II.

"Esperava que o clima escocês lhe fizesse bem", disse Elizabeth Jackson, de 66 anos, que recebeu o nome da rainha, antes do anúncio de sua morte.

"Foi rainha durante toda a nossa vida, era tão tranquila, tão comedida", disse, emocionada, Maureen Barnett, uma professora aposentada.

mhc-ctx/bd/sag/mb/mvv/am