Lázaro Ramos diz que se arrepiou ao ver Taís Araújo como Marielle em 'Falas negras'

David Barbosa
·1 minuto de leitura
Victor Pollak / João Cotta / Divulgação - Globo
Victor Pollak / João Cotta / Divulgação - Globo

RIO — No início, Lázaro Ramos resistiu ao convite de Manuela Dias, autora de "Amor de mãe", para dirigir o especial de Consciência Negra da Globo, "Falas negras", que vai ao ar nesta sexta-feira após "A força do querer". Achava que "não teria maturidade" para lidar com os discursos de 22 personalidades negras, nacionais e estrangeiras, que compõem o especial.

Depois de conduzir dez dias de ensaios remotos, o diretor comemorou ter mudado de ideia. Não pôde deixar de se emocionar com o trabalho do elenco, que inclui sua esposa, Taís Araújo (interpretando Marielle Franco), Babu Santana (como o pugilista Muhammad Ali) e e Ailton Graça (como o geógrafo Milton Santos).

— Na hora em que Taís estava fazendo Marielle, por exemplo, a gente se arrepiava, porque se encaixava, sem ser uma imitação. E isso aconteceu várias vezes — conta Lázaro.