Líbios celebram 10 anos da revolução que derrubou Khadafi

Rim TAHER
·3 minuto de leitura
Cerimônia para recordar os 10 anos da revolução na Líbia em praça de Trípoli

Os líbios celebram nesta quarta-feira o 10º aniversário da revolução que derrubou Muamar Khadafi em 2011 e que, desde então, deixou o país afundado em uma guerra civil.

Um acordo político assinado em 5 de fevereiro provocou, no entanto, a esperança de pacificação do país, que conta com as maiores reservas de petróleo do continente africano.

Nas principais cidades da Tripolitânia, a grande região oeste, as autoridades locais planejam várias cerimônias, com discursos, música e fogos de artifício.

O líder do Governo de Unidade Nacional (GNA), Fayez al Sarraj, reconhecido pela ONU, acompanhou na terça-feira à noite (16) na Praça dos Mártires de Trípoli a cerimônia que acendeu a tocha para as celebrações oficiais.

Apesar das restrições sanitárias contra a covid-19, centenas de pessoas compareceram ao evento com bandeiras e cantaram músicas patrióticas.

As principais celebrações acontecerão nesta grande esplanada no coração da capital, antes chamada "Praça Verde" e onde Khadafi gostava de pronunciar discursos.

Na terça-feira também foi organizado um primeiro desfile militar em Tajura, nas proximidades de Trípoli.

Nos últimos dias, a capital do país, que tem quase metade da população líbia, passou por reformas, e as ruas receberam faixas, arcos luminosos e decorações.

As fachadas das casas foram pintadas e equipes da Companhia Nacional de Obras Públicas reforçaram os sinais de trânsito nas ruas e substituíram os semáforos.

Nas esquinas, os vendedores ambulantes oferecem balões com as cores nacionais e a bandeira da independência da Líbia de 1951, assim como a bandeira berbere, emblema cultural e identitário de parte da população líbia.

As autoridades do leste do país, região controlada pelo marechal Khalifa Haftar, não anunciaram nenhum evento, nem mesmo em Benghazi, berço da revolução e segunda maior cidade do país do norte da África.

- "Catástrofe" -

"Sair para celebrar o aniversário da revolução seria uma loucura, porque esta revolução foi uma catástrofe que desperdiçou anos de estabilidade", afirmou Jamis Al Sahati, ativista radicado em Cirenaica, a grande região leste do país.

Dez anos depois da revolução e da intervenção de apoio da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que terminou em outubro de 2011 com a morte do "Guia" Khadafi, a Líbia permanece dividida entre dois poderes antagônicos e sofre com a interferência estrangeira.

"Ainda não se fez justiça para as vítimas de crimes de guerra e graves violações de direitos humanos, incluindo assassinatos, desaparecimentos forçados, torturas, deslocamentos forçados e sequestros cometidos por milícias e grupos armados", lamentou na terça-feira a organização de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional.

O dia a dia dos líbios foi marcado durante anos pela falta de dinheiro e de gasolina, por cortes de energia elétrica e por uma inflação galopante.

Instalado em Trípoli em 2016 após a mediação da ONU, o GNA tem o forte apoio da Turquia.

O governo opositor, liderado por Haftar e estabelecido em Cirenaica, tem o apoio dos Emirados Árabes Unidos, do Egito e da Rússia.

Após o fracasso da ofensiva de Haftar para tentar controlar Trípoli em 2020, foram registradas várias tentativas de mediação. A ONU conseguiu em outubro um acordo de cessar-fogo que, ao contrário dos anteriores, é respeitado.

As negociações entre as forças líbias nos últimos meses terminaram em um acordo para a organização de eleições presidenciais em dezembro de 2021.

Em 5 de fevereiro, foi designado um governo de transição, liderado pelo primeiro-ministro interino, Abdul Hamid Dbeibah, e um Conselho Presidencial transitório encabeçado por Mohamed al Menfi.

rb-hme/elm/bfi/zm/mar/fp/tt