Líder chinês promete não construir novos projetos energéticos com carvão no exterior

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Discurso em vídeo do presidente chinês, Xi Jinping, durante Assembleia-Geral da ONU
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Valerie Volcovici e Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O presidente da China, Xi Jinping, disse nesta terça-feira que o país não vai construir novos projetos energéticos com carvão no exterior, utilizando seu pronunciamento na Assembleia-Geral da ONU para ampliar as promessas chinesas para lidar com as mudanças climáticas.

Xi não ofereceu detalhes, mas dependendo da forma que a política for implementada, a medida pode limitar de maneira significativa o financiamento a usinas de carvão em países em desenvolvimento.

A China tem sofrido pressão diplomática pesada para encerrar seus financiamentos a projetos com carvão fora de seu território, já que isso pode facilitar que o mundo esteja a caminho de atingir os objetivos do Acordo de Paris para o clima, que pretende reduzir emissões de carbono no mundo.

O anúncio de Xi seguiu medidas semelhantes da Coreia do Sul e do Japão mais cedo neste ano, e o secretário-geral da ONU, António Guterres, e o enviado especial dos EUA para o clima, John Kerry, haviam pedido que a China siga seus vizinhos asiáticos.

"A China irá aumentar seu apoio para que países em desenvolvimento tenham energia verde e de baixo carbono, e não irá mais construir novas plantas abastecidas por carvão no exterior", disse Xi em seu pronunciamento pré-gravado em vídeo para a reunião anual da ONU, no qual ressaltou as intenções pacíficas da China nas relações internacionais.

Xi falou após o presidente norte-americano, Joe Biden, fazer seu primeiro pronunciamento na ONU. Biden mapeou uma nova era de competição vigorosa sem uma nova Guerra Fria, apesar da ascensão da China.

Em um discurso calmo e comedido, Xi não fez menção direta à rivalidade muitas vezes amarga com os Estados Unidos, onde o governo Biden fez das políticas de mitigação das mudanças climáticas uma prioridade e buscou cooperar com a China.

Xi também repetiu promessas do ano passado de que a China iria atingir um pico de emissões de dióxido de carbono antes de 2030, e a neutralidade carbônica antes de 2060.

(Reportagem de Valerie Volcovici, David Brunnstrom, Michael Martina e Arshad Mohammed, em Washington, e Michelle Nichols, na ONU)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos