Líder da gangue haitiana 400 Mawozo é extraditado para os EUA

Porta de igreja dos EUA com informações sobre sequestro de missionários no Haiti

Por Gessika Thomas e Brian Ellsworth

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) - O líder da temida gangue haitiana 400 Mawozo, que sequestrou no ano passado um grupo de missionários norte-americanos e canadenses, foi extraditado para os Estados Unidos nesta terça-feira, informou a polícia do Haiti.

A gangue 400 Mawozo ganhou as manchetes globais em outubro com o sequestro de 17 missionários que foram mantidos em cativeiro por dois meses, e nas últimas semanas entrou em conflito com uma gangue rival, cujos tiroteios levaram milhares a fugir de suas casas.

“Germine Joly, também conhecido como ‘Yonyon’, foi extraditado aos Estados Unidos na terça-feira, 3 de maio de 2022, em um avião especial (do FBI) após um pedido de assistência jurídica emitido pelas autoridades judiciárias dos EUA”, disse a polícia nacional do Haiti em um comunicado.

Joly, que já estava detido no Haiti antes do sequestro dos missionários, enfrentará acusações por contrabando de armas e por “pedir resgate por cidadãos norte-americanos” nos EUA, disse o comunicado.

As gangues do Haiti ganharam força desde o assassinato do presidente Jovenel Moise, no último mês de julho, com grandes partes da capital e a maioria da zona rural fora do controle das autoridades do Governo.

No domingo, a República Dominicana pediu ajuda às autoridades haitianas para encontrar um diplomata que estava desaparecido desde sexta-feira e parece ter sido sequestrado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos