Líder da Guiné deposto recebe autorização para deixar o país

·1 min de leitura
Outdoor com foto do ex-presidente guineano Alpha Condé em Conacri, 16 de setembro de 2021 (AFP/JOHN WESSELS)

O ex-presidente da Guiné Alpha Condé, detido desde que foi deposto em um golpe de Estado em setembro, recebeu nesta sexta-feira (31) permissão para deixar o país por um mês.

Um comunicado do governo, lido na TV nacional, indicou que, em consulta com o bloco de países da África ocidental ECOWAS, "o ex-presidente Alpha Condé foi autorizado a sair para o exterior por um mês para realizar consultas".

O governo não informou a natureza das consultas, nem quando deixaria o país.

A liberação de Conde, de 83 anos, era uma reivindicação do ECOWAS, que exigiu também a realização de eleições em seis meses.

O ECOWAS suspendeu a Guiné do bloco e sancionou membros da junta, chefiada pelo coronel Mamady Doumbouya, nomeado presidente de transição do empobrecido país.

Condé, que governou por quase 11 anos, foi criticado por suas tendências autoritárias, mas o golpe que o depôs desatou temores de um retrocesso democrático na África ocidental.

bt-aab-bm/pvh/dw/mas/gm/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos