Pesquisa revela que um terço dos texanos apoia muro de Trump

Austin (EUA), 19 abr (EFE).- Um de cada três habitantes do estado do Texas, que faz fronteira com o México, apoia o plano do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de construir um muro ao longo da fronteira, de acordo com uma nova pesquisa divulgada nesta quarta-feira.

O levantamento, realizado pela organização The Texas Lyceum e do qual a Agência Efe teve acesso nesta quarta-feira, assegura que 61% dos entrevistados se opõem a este projeto do magnata nova-iorquino, o que representa um leve aumento em relação a uma pesquisa similar publicada por este centro no final de 2016.

Este ano, no entanto, o percentual de entrevistados que se identificaram como hispânicos e que apoiaram a construção da barreira aumentou de 18% em 2016 para 25%.

A pesquisa também determinou que aproximadamente a metade dos cidadãos texanos se opõe às cidades "santuário", lugares onde as autoridades locais optam por não cumprirem com as leis migratórias federais para favorecer a situação dos imigrantes sem documentos.

Não obstante, mais de 90% dos entrevistados acreditam que a polícia local deve ter permissão para questionar o status migratório ao deter uma pessoa por um crime, segundo a pesquisa sobre imigração do The Texas Lyceum elaborada este mês.

O percentual cai drasticamente - para 44% - quando os cidadãos são questionados se as autoridades locais devem verificar o estado migratório de uma pessoa quando ela for detida por uma infração de trânsito.

Além disso, quase dois terços dos texanos apoiam "fortemente" que os imigrantes sem documentos que estão no país durante um "longo" período de tempo e pagam impostos, não tenham antecedentes criminais e aprendam inglês possam obter a cidadania.

Por outro lado, cerca de 75% afirmaram que as empresas devem verificar a situação migratória dos possíveis empregados e que as multas para aqueles que contratam pessoas sem documentos devem ser aumentadas.

Outra conclusão da pesquisa é que 62% dos moradores do Texas acreditam que a imigração ajuda mais aos Estados Unidos do que prejudica o país, o que representa um aumento de oito pontos percentuais em relação ao trabalho anterior.

O levantamento, no qual foram entrevistados mil cidadãos texanos e foi supervisionado por professores da Universidade do Texas, foi feito entre os dias 3 e 9 de abril e tem margem de erro de 3,1%, para mais e para menos. EFE