Líder mercenário da Rússia diz que quer cidade ucraniana de Bakhmut por “cidades subterrâneas”

FOTO DO ARQUIVO: Ataque russo durante cessar-fogo de 36 horas no Natal ortodoxo, em Bakhmut

Por Andrew Osborn

LONDRES (Reuters) - O fundador do grupo mercenário mais famoso da Rússia disse neste sábado que quer que suas forças e o exército da Rússia capturem a pequena cidade de Bakhmut, no leste da Ucrânia, porque ela possui “cidades subterrâneas” que podem abrigar tropas e tanques.

A empreitada de mais de cinco meses da Rússia para tentar tomar Bakhmut intrigou alguns analistas militares ocidentais, que dizem que as pesadas perdas no lado russo e o fato de que a Ucrânia construiu linhas de defesa para recuar às proximidades significa que qualquer vitória russa no local, se acontecer, seria pírrica.

Yevgeny Prigozhin, fundador do grupo mercenário Wagner que está lutando na batalha de Bakhmut, explicou em detalhes neste sábado por que achava que a tomada da cidade seria significativa.

“A cereja no bolo é o sistema de Soledar e as minas de Bakhmut, que é na realidade uma rede de cidades subterrâneas. Não apenas (tem a capacidade de abrigar) um grande grupo de pessoas com profundidade de 80-100 metros, mas tanques e veículos de infantaria também podem se movimentar”.

Prigozhin, que provavelmente teria seu capital político em Moscou intensificado se Bakhmut sucumbir à Rússia, dado o seu papel naquele combate, disse que estoques de armas foram armazenados nos complexos subterrâneos desde a Primeira Guerra Mundial.

Seus comentários foram uma referência às vastas minas de sal e outras que contêm mais de 180 kms de túneis e um amplo espaço subterrâneo que recebeu jogos de futebol e concertos de música clássica em tempos mais pacíficos.

(Por Andrew Osborn)