Líder norte-coreano foi informado sobre plano de ataque a Guam

Líder norte-coreano Kim Jong-Un inspeciona teste de míssil

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un, foi informado sobre um plano para disparar mísseis próximo à ilha de Guam, uma base aérea e naval americana, mas sugeriu que ele retardaria o lançamento, noticiou a imprensa estatal norte-coreana na terça-feira (noite de segunda no Brasil).

Kim "analisou o plano durante um longo tempo" e "o discutiu" com as autoridades militares na segunda-feira durante uma inspeção ao Comando de Forças Estratégicas, encarregado do programa de mísseis, indicou a agência de notícias norte-coreana (KCNA, na sigla em inglês).

Ele disse que "os imperialistas americanos colocaram a corda no pescoço com sua irresponsável algazarra de confronto militar".

Mas ele sugeriu que retardaria o plano de disparar mísseis de teste em direção ao território americano no Pacífico, afirmando que "observaria um pouco mais a conduta tola e estúpida dos ianques enquanto passam por um momento difícil a cada minuto de sua miserável sina".

"A fim de desarmar as tensões e evitar um conflito militar perigoso na península coreana, é necessário que os EUA façam uma opção apropriada primeiro e demonstrá-la com ações, pois cometeu provocações após introduzir um enorme equipamento estratégico nuclear nas proximidades da península", disse Kim, citado pela KCNA.

Ele exortou os EUA a "pararem de vez com provocações arrogantes" contra a Coreia do Norte e não provocá-la mais.

- Guerra retórica -

O Exército da Coreia do Norte anunciou na semana passada que finalizaria em meados de agosto um plano detalhado para testar o disparo de quatro mísseis balísticos de médio alcance nos arredores de Guam e que o apresentaria ao seu líder para aprovação.

A escalada da tensão ocorreu depois que a Coreia Norte testou dois mísseis balísticos intercontinentais no mês passado, indicando que seria capaz de atingir o território americano.

Depois disso, o presidente dos EUA, Donald Trump, alertou Pyongyang que responderia às ameaças com "fogo e fúria como o mundo nunca viu".

Pyongyang, por sua vez, ameaçou testar seus mísseis perto da ilha americana de Guam, no Pacífico.

A guerra retórica ativou um alarme global, com líderes mundiais, incluindo o presidente chinês, Xi Jinping, pedindo calma a ambos os lados.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-In, também pediu calma sobre o impasse com a Coreia do Norte, dizendo que nunca mais deveria haver outra guerra na península.

O secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, advertiu nesta segunda-feira que um ataque contra os Estados Unidos poderia conduzir rapidamente a uma guerra, enquanto ele e o secretário de Estado, Rex Tillerson, se movimentaram para diminuir as tensões.

Os comentários de Mattis vieram à tona depois que ambos escreveram em um artigo de opinião publicado no The Wall Street Journal que os EUA não tinham "nenhum interesse" em uma mudança de regime em Pyongyang ou na reunificação acelerada das duas Coreias e enfatizaram a importância de uma solução diplomática para a crise.

Os dois decidiram escrever o artigo algumas semanas atrás, e não em resposta à escalada das tensões da semana passada, disse Mattis.

Mattis e Tillerson disseram que os Estados Unidos preferem uma solução diplomática para o impasse nuclear, especialmente com a ajuda da China, embora tenham enfatizado que a diplomacia é "apoiada por opções militares".