Líder da oposição russa é preso em Moscou durante protestos contra corrupção

Moscou, 26 mar (EFE).- O líder da oposição e candidato à presidência da Rússia, Alexei Nalvani, foi preso neste domingo no centro de Moscou, palco de uma manifestação não autorizada convocada pelo dia nacional de protesto contra a corrupção.

As informações sobre a prisão foram divulgadas pelo site de Nalvani, que transmite ao vivo as imagens das manifestações que estão sendo realizadas em várias partes do país.

Apesar de as autoridades de Moscou terem alertado que o protesto era ilegal, milhares de pessoas se reuniram na praça Pushkin e na rua Tverskaya, no centro da capital da Rússia, em meio a um grande número de policiais.

"A Rússia será livre! Liberdade, liberdade", cantavam os manifestantes na praça Pushkin.

Os organizadores do protesto recomendam aos participantes da manifestação que fiquem passeando pelas calçadas da rua Tversakaya para evitar serem presos.

O dia nacional de protesto foi convocado com o tema "Dmitri pagará", que faz referência ao primeiro-ministro do país, Dmitri Medvedev, acusado de ser um dos homens mais corruptos da Rússia.

O líder da oposição fez essa denúncia no início do mês em um vídeo publicado no Youtube, resultado de uma investigação de vários meses e que já foi visto mais de 10 milhões de vezes.

No vídeo, Nalvani afirma que Medvedev, um dos principais aliados de Putin e ex-presidente da Rússia, acumulou um império em ativos, tanto dentro como fora do país, através de fundações beneficentes comandadas por parentes e pessoas de sua mais absoluta confiança.

"Baseando-nos na documentação publicada, afirmamos que para as fundações de Medvedev foram transferidos pelo menos 70 bilhões de rublos (cerca de US$ 1,2 bilhão) em dinheiro e propriedades", afirmou Navalni.

As manifestações contra a corrupção estão sendo realizadas em cidades como Vladivostok, Krasnoyarsk e Tomsk, nas quais também não há permissão das autoridades para que o protesto ocorresse.

Segundo a imprensa russa, em Vladivostok a polícia prendeu mais de 30 pessoas. "O protesto de hoje é a vitória sobre o medo", disse Nalvani antes de ser preso através de seu site. EFE