Líder opositor da Espanha é questionado por comparecer a missa para Franco

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Pablo Casado, líder do Partido Popular, da Espanha, durante sessão do Parlamento espanhol em Madri
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

MADRI (Reuters) - O Partido Socialista, que governa a Espanha, exigiu explicações do líder do Partido Popular conservador, Pablo Casado, nesta segunda-feira depois que ele compareceu a um culto religioso em homenagem ao falecido ditador Francisco Franco, cujo legado ainda divide o país.

"Consideramos isto uma agressão, uma irresponsabilidade absoluta", disse Hector Gómez, porta-voz da bancada socialista no Congresso, aos repórteres.

"Exigimos uma explicação... saber se o líder da oposição, o líder do Partido Popular, está endossando a ditadura de Francisco Franco", disse.

A sigla de Casado disse que ele não estava ciente de que a missa em Granada, uma cidade do sul espanhol, à qual compareceu com a família no sábado, era um de vários cultos realizados em toda a Espanha para lembrar o 46º aniversário da morte de Franco.

"Não foi uma missa para Franco, foi uma missa normal, e descobrimos no dia seguinte", disse um porta-voz, sem querer fazer mais comentários.

De acordo com uma fonte do partido, Casado simplesmente entrou em uma igreja próxima de seu hotel porque sabia que não conseguiria ir à missa no dia seguinte devido à sua agenda cheia.

A Fundação Francisco Franco o agradeceu por sua presença, mas disse que ele não foi convidado e que não poderia ser responsabilizado.

Pablo Echenique, do partido de esquerda Unidas Podemos, disse duvidar que o incidente foi uma coincidência.

(Por Belén Carreño e Andrei Khalip)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos