Líder Supremo do Irã diz que só voltará a acordo nuclear se EUA retirar sanções

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, afirmou neste domingo (7) que primeiro o governo dos Estados Unidos deve suspender "completamente" as sanções contra seu país, antes que a República Islâmica volte a assumir os compromissos determinados pelo acordo nuclear. "Se querem que o Irã volte a seus compromissos (...) os Estados Unidos devem suspender completamente as sanções, e não apenas de forma retórica ou no papel", afirmou Khamenei em um discurso para comandantes da Força Aérea. O acordo nuclear entre os dois países foi firmado em 2015, sob a gestão do presidente democrata Barack Obama. O acordo limitou o programa nuclear iraniano e, à época, Obama declarou que o pacto era um "entendimento histórico" com Teerã. Em 2018, contudo, o ex-presidente Donald Trump retirou Washington do pacto, em uma decisão criticada tanto pelos democratas americanos, incluindo o próprio Obama, quanto por líderes da União Europeia, que iniciaram uma ofensiva diplomática para tentar salvar o acordo assinado por EUA, Irã, Reino Unido, França, Alemanha, China e Rússia. Por sua vez, outros aliados americanos, como Israel e Arábia Saudita, saudaram o anúncio de Trump.