Líder ucraniano visita cidade destruída, forças russas se defendem de ofensiva

Zelenskiy visita cidade de Izium

Por Tom Balmforth

IZIUM, Ucrânia (Reuters) - A Ucrânia disse que está tentando estender uma contraofensiva no leste enquanto o presidente Volodymyr Zelenskiy fez uma visita surpresa a uma cidade devastada e recentemente recapturada, nesta quarta-feira, mas autoridades pró-Rússia disseram que contiveram as forças de Kiev por enquanto.

As forças russas sofreram um revés impressionante este mês depois que as tropas ucranianas fizeram um rápido ataque com forças especiais na região de Kharkiv, no nordeste, forçando uma retirada russa às vezes apressada e caótica.

Zelenskiy disse em um discurso noturno na terça-feira que seu Exército liberou cerca de 8.000 quilômetros quadrados de território até agora este mês, uma faixa de terra quase equivalente à ilha de Chipre.

A Reuters não conseguiu verificar imediatamente todo o alcance dos sucessos no campo de batalha reivindicados pela Ucrânia.

Zelenskiy, que visitou a cidade de Izium, um importante centro logístico a cerca de 15 km da atual linha de frente no leste, disse que a segurança total e a erradicação de quaisquer elementos pró-Rússia foram concluídas em cerca de metade do território liberado.

Tropas ucranianas estavam agora atacando a cidade de Lyman, controlada pela Rússia, na região de Donetsk, disse Oleksiy Arestovych, um conselheiro de Zelenskiy, e estão de olho em ganhos territoriais na região vizinha de Luhansk, que está sob controle russo.

"Agora há um ataque a Lyman", declarou Arestovych em um vídeo postado no YouTube, prevendo uma briga também pela cidade de Svatovo, onde ele disse que os russos têm depósitos de armazenamento.

"E isso é o que eles mais temem - que tomemos Lyman e depois avancemos sobre Lysychansk e Sievierodonetsk", disse ele, referindo-se às cidades gêmeas da região de Luhansk tomadas pela Rússia após violentos combates em junho e julho.

Denis Pushilin, chefe da autoproclamada República Popular de Donetsk, apoiada pela Rússia, disse que as tropas leais a Moscou conseguiram repelir com sucesso as forças ucranianas que tentavam fazer incursões em Lyman e que a situação se estabilizou por enquanto.

"Nada deu certo para o inimigo", afirmou Pushilin, acrescentando que os ataques ucranianos ao norte e ao sul de Lyman também foram repelidos.

Questionado se a contraofensiva relâmpago da Ucrânia no leste foi um ponto de virada na guerra de seis meses, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que era difícil dizer.

"Está claro que os ucranianos fizeram um progresso significativo. Mas acho que será um longo caminho", afirmou Biden.

As forças russas ainda controlam cerca de um quinto da Ucrânia no sul e no leste, embora Kiev esteja agora na ofensiva em ambas as áreas.