Líder de vítimas do conflito armado da Colômbia é assassinada

(Arquivo) Vista aérea do município de Acandí, no departamento colombiano de Chocó, em 6 de julho de 2015

Uma líder de vítimas do conflito armado na Colômbia, que também trabalhava para a Organização Internacional para as Migrações (OIM), foi assassinada em Chocó (noroeste), informou nesta terça-feira a promotoria colombiana.

Ofelia Mosquera, que "trabalhava na OIM, além de trabalhar na implementação da Lei das Vítimas", foi encontrada morta na madrugada de sábado na cidade de Acandí, em Chocó, "com dois ferimentos a bala na cabeça", informou a promotoria em um comunicado.

A fonte anunciou a abertura de uma investigação para esclarecer o crime, que se soma as dezenas de assassinatos, ameaças e ataques contra líderes sociais em 2015 no país, que vive um conflito armado há mais de 50 anos.

O corpo de Mosquera foi encontro "depois que ela atendeu turistas em 24 e 25 de dezembro" na zona rural de Acandí.

Este município faz parte da conturbada região de Urabá, que inclui os departamentos de Antioquia, Chocó e Córdoba, todos no noroeste. Na área, atua o grupo criminoso paramilitar Clã Úsuga e o segundo maior grupo guerrilheiro da Colômbia, o Exército de Libertação Nacional (ELN).

O governo de Juan Manuel Santos, em negociações de paz com os rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), promulgou em 2011 a Lei das Vítimas, que prevê reparações às pessoas afetadas pela conflito armado interno.