Lideranças indígenas e especialistas elogiam tema de redação e veem coincidência com o fim de governo Bolsonaro

Lideranças indígenas, professores e pesquisadores elogiaram neste domingo o tema da redação do Enem aplicado na prova de 2022 — "Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil". Logo que a questão foi divulgada pelo Ministério da Educação, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) publicou em suas redes sociais uma nota classificando o tema como "muito importante": "Nunca mais um Brasil sem nós! (...) Neste momento, milhões de estudantes estão pensando e escrevendo sobre os povos originários do Brasil", escreveu a instituição, engajada na eleição de candidatos indígenas no pleito deste ano.

Outro a prontamente elogiar a iniciativa após "quatro anos de silêncio" do governo de Jair Bolsonado foi Eliésio Marubo, procurador jurídico da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari, no Amazonas (Univaja):.

— A sociedade se fortalece quando trata dos seus problemas. Falar dos desafios para a valorização das comunidades e da história dos povos indígenas tem esse significado. Mais ainda é incutir nas novas gerações a preocupação que os adultos deveriam ter. Passamos quatro anos sem tratar e sem falar desses problemas. Ainda bem que começamos a repensar os desafios e novos tempos no país — disse Marubo.

ACOMPANHE: Gabarito do Enem 2022, veja correção extraoficial ao vivo

Enem: MEC de Lula herda a missão de adequar exame à reforma do ensino médio até 2024

Depois do Enem de 2021, que teve como tema de redação os brasileiros invisibilizados no registro civil, elogiado por professores mas que passava longe de questões ideológicas, a prova mais aguardada do primeiro dia de Enem surpreendeu. Para a antropóloga luso-brasileira Manuela Ligeti Carneiro da Cunha, a questão destacada nsegue uma tendência dos debates em curso em várias esferas. Ela lembrou que, há um ano, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) vem publicando muitos volumes sobre a importância das práticas, do conhecimento e das inovações dos povos indígenas, quilombolas e de comunidades tradicionais.

— Ótimo tema e uma feliz coincidência! Esse é uma abordagem fundamental diante dos desafios envolvendo biodiversidade e dos obstáculos de se valorizar estes conhecimentos em políticas públicas — observa Manuela, reconhecida internacionalmente como referência em estudos sobre povos originários e de etnologia e antropologia histórica. — As políticas do governo Bolsonaro foram declarada e agressivamente contrárias aos direitos dos povos tradicionais. Nunca o desmatamento, a grilagem e o envenenamento dos rios tinham chegado aos níveis atuais. Cabe ao governo eleito responsabilizar os culpados, restaurar o que se tentou destruir e instaurar políticas que realmente valorizem e abram espaço político para as contribuições fundamentais dos povos tradicionais.

Momento oportuno

Ex-presidente da Funai, Marcio Meira destaca que o tema chama atenção num momento delicadíssimo para o futuro dos indígenas do Brasil.

— Esse é um tema que chama atenção e é extremamente delicado e importante para o Brasil, principalmente depois do que nós vimos nos últimos quatro anos, a forma como o atual governo derrotado tratou dos povos indígenas e das comunidades tradicionais que viveram um verdadeiro pesadelo . Tem uma questão de fundo de perseguição, de tragédia, que esses povos viveram. É uma abordagem (Enem) totalmente atual, sobretudo num dia em que os indígenas ianomâmis foram atacados em Boa Vista. Toda essa violência contra esses povos é uma consequência de uma postura dos últimos anos de acirramento de preconceito, do racismo contra os indígenas e as comunidades tradicionais. Esperamos que o futuro para os indígenas brasileiros seja de respeito, de proteção e garantia de seus direitos constitucionais — afirma.

Cotada para assumir o ministério dos Povos Originários, cuja criação foi prometida pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a deputada Sônia Guajajara (Psol-SP) também se manifestou:

"Desde a invasão em 1500 nossos direitos tem sido violados, sobretudo nos últimos quatro anos onde declaradamente a atual gestão, que já derrotamos nas eleições, executava sua política de extermínio dos povos originários e comunidades tradicionais", escreveu a parlamentar nas suas redes sociais, fazendo uma crítica direta ao governo Bolsonaro. Ela e uma das coordenadoras da Apib.

Outro deputada indígena eleita, Célia Xacriabá (Psol-MG), declarou que o exame "valorizava" os povos originários do país. "O tema da redação do Enem hoje é a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil! É tempo de olhar para a nossa ancestralidade, para a nossa cultura e para nossos povos originários. Que isso entre nas escolas e no imaginário de todos os brasileiros e brasileiras", postou ela em suas redes sociais.

Como é feita a correção

A correção da redação envolve cinco competências, cada uma com pontuação máxima de 200 pontos: domínio da escrita formal da língua portuguesa; compreender o tema e não fugir do que é proposto; selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação e respeito aos direitos humanos.

Temas anteriores

Confira os temas abordados nas redações do Enem nos últimos anos:

O indivíduo frente à ética nacional (2009)

O Trabalho na Construção da Dignidade Humana (2010)

Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado (2011)

O movimento migratório para o Brasil no século XXI (2012)

Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil (2013)

Publicidade infantil em questão no Brasil (2014)

A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira (2015)

Caminhos para combater o racismo no Brasil (2016)

Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil (2016)

Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil (2017)

Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet (2018)

Democratização do acesso ao cinema no Brasil (2019)

O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira (2020)

O desafio de diminuir a desigualdade entre regiões no Brasil (2020 - Enem Digital)