Líderes da América manifestam apoio à vice-presidente argentina após ataque

Homem parado na porta de edíficio onde mora a vice-presidente argentina Cristina Kirchner

(Reuters) - Os argentinos acordaram em estado de choque nesta sexta-feira depois que a vice-presidente Cristina Fernández de Kirchner escapou ilesa de uma tentativa de assassinato na porta de sua casa porque a arma carregada de um agressor não disparou.

Aqui estão as reações de líderes americanos:

ANTONY BLINKEN, secretário de Estado dos EUA:

"Os Estados Unidos condenam veementemente a tentativa de assassinato da vice-presidente Cristina Fernández de Kirchner. Nos solidarizamos com o governo e o povo da Argentina na rejeição da violência e do ódio".

ANDRÉS MANUEL LÓPEZ OBRADOR, presidente do México:

"(Quero) expressar minha forte condenação pelo ataque fracassado à vice-presidente argentina, Cristina Kirchner; foi lamentável, repreensível, mas ao mesmo tempo diria milagroso porque Cristina está bem".

NICOLÁS MADURO, presidente da Venezuela:

"Enviamos nossa solidariedade à vice-presidente @CFKArgentina, diante do atentado contra sua vida. Repudiamos veementemente esta ação que busca desestabilizar a paz do povo irmão argentino".

GABRIEL BORIC, presidente do Chile:

"A tentativa de assassinato da vice-presidente da Argentina, Cristina Fernández, merece o repúdio e a condenação de todo o continente. Minha solidariedade a ela, ao governo e ao povo argentino. O caminho será sempre o debate de ideias e o diálogo, nunca as armas ou violência".

GUSTAVO PETRO, presidente da Colômbia:

"O atentado a Cristina na Argentina é resultado do sectarismo que se transforma em violência. Tornou-se uma prática latino-americana pensar que a política é a eliminação física ou jurídica do adversário, tal prática é puro fascismo. A política deve ser liberdade".

PEDRO CASTILLO, presidente do Peru:

"Toda a minha solidariedade à vice-presidente argentina e ao povo argentino. O governo peruano condena o atentado ocorrido hoje contra sua vida. Repudiamos qualquer ato de violência".

LUIS LACALLE POU, presidente do Uruguai:

"A violência nunca pode ser tolerada em nenhuma circunstância. Minha solidariedade com a senhora Cristina Fernández e todo o povo argentino".

MARIO ABDO, presidente do Paraguai:

“Nos solidarizamos com a República Argentina diante da tentativa de assassinato sofrida por sua vice-presidente. Nos unimos a todas as vozes que repudiam a violência e exigem justiça”.

LUIS ALBERTO ARCE, presidente da Bolívia:

"Repudiamos enfaticamente o atentado contra a vida da irmã vice-presidente da Argentina. Do Estado Plurinacional da Bolívia enviamos todo nosso apoio a ela, sua família, o governo e o povo argentinos".

MIGUEL DÍAZ-CANEL, presidente de Cuba:

"De #Cuba, consternados com a tentativa de assassinato de @CFKArgentina, enviamos toda nossa solidariedade à vice-presidente, ao governo e ao povo argentinos".

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, ex-presidente do Brasil:

"Toda a minha solidariedade à companheira @CFKArgentina, vítima de um fascista criminoso que não sabe respeitar divergências e a diversidade. A Cristina é uma mulher que merece o respeito de qualquer democrata no mundo. Graças a Deus ela escapou ilesa".

RAÚL CASTRO, ex-presidente de Cuba:

"Querida Cristina: envio-lhe toda a nossa solidariedade e apoio ante o vil atentado à sua vida, com a satisfação de ter sobrevivido a este ato condenável".

(Por Daniela Desantis)